Edição 297 | 15 Junho 2009

Um teólogo da modernidade

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Márcia Junges, Moisés Sbardelotto e Patricia Fachin

Para Mário de França Miranda, a reflexão de Rahner sobre a graça de Deus é decisiva para a teologia atual

“A concepção unitária de natureza e graça propugnada por Rahner, por H. de Lubac e por outros possibilitou o direcionamento da reflexão teológica para as realidades deste mundo e, portanto, contribuiu para o nascimento das teologias da libertação, como testemunha explicitamente Gustavo Gutierrez em sua obra fundamental”, considera Mário de França Miranda, em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line. Para ele, Rahner, “percebeu a distância entre a cultura moderna laicizada e os enunciados doutrinais, procurando então cobrir este vazio”.

Segundo França Miranda, a maior ameaça sofrida pela Igreja é a fé crista de seus membros, “agravada pela oferta múltipla de interpretações da realidade e pela velocidade das mudanças socioculturais”. De acordo com o teólogo, esse cenário foi previsto por Rahner, daí recorre sua “insistência na dimensão experiencial ou mística da fé para o indivíduo”.

Mário de França Miranda possui graduação em Filosofia, pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira, mestrado em Teologia, pela Faculdade de Teologia da Universidade de Innsbruck e doutorado em Teologia, pela Universidade Gregoriana. Atualmente, é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Ele é autor de várias obras, entre elas A existência cristã hoje (São Paulo: Edições Loyola, 2005), A Igreja numa sociedade fragmentada. Escritos Eclesiológicos (São Paulo: Edições Loyola, 2006) e Aparecida: a hora da América Latina (São Paulo: Edições Paulinas, 2006).

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Qual o legado de Karl Rahner no Concílio Vaticano II?

Mário de França Miranda - É difícil estabelecer concretamente a contribuição de Rahner neste Concílio porque os trabalhos eram realizados em comum por grupos de teólogos. O texto final remetia assim a um labor coletivo, fruto de muitas cabeças. Mas podemos, sem dúvida, apontar algumas idéias de Rahner, algumas já defendidas por ele antes mesmo do Concílio, que influenciaram diversos textos conciliares. Assim, temas como a colegialidade episcopal, o diaconato permanente, a mariologia, a revelação, a relação da Igreja com a sociedade, a atividade missionária da Igreja, denunciam a reflexão profunda e crítica deste teólogo. Talvez também seja importante mencionar sua pessoa e seu modo de pensar a teologia que, partindo de uma sólida tradição, sabia renová-la para o momento presente e, ainda mais, num latim que encantava a todos os participantes.

IHU On-Line - Que influência teve o pensamento de Karl Rahner para a teologia pós-conciliar?

Mário de França Miranda - Creio que decisiva mesmo para a teologia atual foi a reflexão deste teólogo sobre a graça de Deus. Podemos mesmo afirmar que aqui encontramos o núcleo de todo o seu sistema. Partindo da vontade salvífica universal, Rahner repensa temas centrais como a relação entre natureza e graça ou entre graça santificante e inabitação trinitária, a experiência da ação salvífica de Deus no ser humano, a fundamentação antropológica para o fato da revelação, do profetismo, da inspiração, da ética existencial, do discernimento inaciano, da salvação dos não cristãos, da teologia das religiões, para citar alguns temas teológicos que muito devem à sua pessoa. Mas gostaríamos de enfatizar sua preocupação por estabelecer uma base antropológica para as verdades da fé, presente em sua teologia trinitária, em sua cristologia, em sua sacramentologia, e em sua eclesiologia. No fundo, ele percebeu a distância entre a cultura moderna laicizada e os enunciados doutrinais, procurando então cobrir este vazio. Daí buscar apresentar um nexo que facilitasse a seus contemporâneos o acolhimento dos dogmas cristãos. Esta preocupação continua na teologia atual, sobretudo na eclesiologia como nos comprovam os estudos de Hermann-Josef Pottmeyer  e Medard Kehl  na Alemanha, de Severino Dianich  na Itália ou de Joseph Komonchak  nos Estados Unidos. Não esqueçamos ainda que a concepção unitária de natureza e graça propugnada por Rahner, por H. de Lubac e por outros possibilitou o direcionamento da reflexão teológica para as realidades deste mundo e, portanto, contribuiu para o nascimento das teologias da libertação, como testemunha explicitamente Gustavo Gutierrez em sua obra fundamental.

IHU On-Line - Por que em anos mais recentes se observou uma tentativa de levar ao esquecimento a teologia de Karl Rahner, seja com ataques a seu pensamento, seja simplesmente por marginalizá-lo do ensino, sobretudo nos seminários?

Mário de França Miranda - Poderíamos elencar várias razões, sem pretender hierarquizá-las em ordem de importância. Primeiramente devido ao fato que Rahner dominou no sentido mais forte do termo o campo teológico durante muitos anos, em conseqüência de seu intenso labor teológico comprovado em inúmeras publicações, inclusive em dicionários teológicos e em manuais de pastoral orientados por ele. Outras excelentes teologias não tiveram nesta época o reconhecimento que mereciam. Depois do falecimento de Rahner elas puderam emergir com mais força. Outra razão foi a desconfiança do magistério eclesiástico com relação às últimas publicações de Rahner. Pois vendo os obstáculos postos pela Santa Sé à implantação das conclusões conciliares, o nosso teólogo pleiteia com mais vigor em favor do Concílio com textos que preocupavam as autoridades eclesiásticas, sobretudo por tratarem de temas eclesiológicos que iam em direção contrária à tendência centralizadora do Vaticano. Poderíamos também mencionar a base filosófica do sistema rahneriano, de cunho transcendental embora bem mitigado, que para muitos aprisionava, limitava e mesmo deformava a revelação divina em categorias filosóficas, sujeitas a questionamentos e dúvidas. Entretanto quem tem conhecimento da vasta produção teológica de Karl Rahner, mesmo que não exaustivamente, sabe muito bem que sua reflexão sobre o que ele chamava de “teologia formal e fundamental” expressa sistematicamente no Curso Fundamental da Fé (São Paulo: Paulus, 1989), representa somente uma parte de sua teologia diante de suas pesquisas na área da história dos dogmas e da patrologia, de seus artigos e livros sobre espiritualidade e pastoral, formação presbiteral e maioridade laical, para só citar algumas.

IHU On-Line - Ainda se pode considerar Karl Rahner um teólogo que realmente ajude à fé cristã em seu diálogo com a atual sociedade?

Mário de França Miranda – Karl Rahner foi sempre considerado, juntamente com outros como H. de Lubac. Urs von Balthasar, W.Pannenberg, um teólogo que refletiu sempre nas coordenadas culturais da modernidade. Neste ponto, não há a menor dúvida e seus escritos não escondem este quadro referencial. Porém vivemos hoje a crise da modernidade, caracterizada como o advento da pós-modernidade descrita diversamente segundo os estudiosos. Neste novo horizonte de compreensão estaria o pensamento de Karl Rahner superado? Naturalmente nosso teólogo jamais poderia ser considerado pós-moderno pela importância que sempre deu a uma reflexão filosófica crítica e séria que buscava se fundamentar na filosofia aristotélico-tomista e heidggeriana. A crítica atual feita ao racionalismo da modernidade, deixando outras dimensões da realidade humana em silêncio, na minha opinião não atinge a teologia rahneriana. Pois a preocupação deste teólogo com a experiência da graça, desde seus primeiros escritos, o levou a Santo Agostinho, a São Boaventura e a Santo Inácio de Loyola, que acabaram por fornecer um viés mais existencial e concreto a seu pensamento, liberando-o de um racionalismo frio e rígido. Confesso, contudo, que nem todos os que estudam sua teologia conseguem alcançar o equilíbrio que aparece em suas páginas conciliando mística e razão, amor à Igreja e crítica à instituição, afirmação do sacramento e ênfase na graça, rigor teológico e preocupação pastoral.

IHU On-Line - Qual a importância deste teólogo para a atual conjuntura da Igreja?

Mário de França Miranda - A resposta a esta pergunta depende da caracterização da atual situação eclesial. Dizer o que realmente afeta a instituição eclesial em nossos dias não poderá ser expresso no singular. E, mesmo oferecendo vários elementos que compõem o quadro, teríamos de valorizar diferentemente os fatores em questão. Não farei isto, embora reconheça ser o método mais objetivo. Darei a palavra à minha intuição pessoal com o risco de ser demasiado subjetivo. A ameaça maior sofrida hoje pela Igreja é a fé cristã de seus membros. Vivemos hoje numa cultura cujo imaginário é secular e cujo humanismo é imanente (Charles Taylor ) agravada pela oferta múltipla de interpretações da realidade e pela velocidade das mudanças socioculturais. O cristão, por estar despreparado para enfrentar este entorno, tende a duvidar de sua fé, ou a se afastar da instituição eclesial vivendo sua religião particular com os componentes escolhidos por ele. Rahner previu esta situação como aparece claramente em seus escritos. Daí sua insistência na dimensão experiencial ou mística da fé para o indivíduo. Sua afirmação se tornou famosa: “O cristão do futuro ou será um místico, ou não será mais cristão”. Na experiência pessoal da ação salvífica de Deus ele via o fundamento sólido para uma vida cristã em meio à turbulência dos nossos dias. E a firmeza da fé encontrada no povo simples comprova sua afirmação.

Outra característica de sua teologia, muito significativa para a atual conjuntura eclesial, diz respeito a suas reflexões sobre a própria dimensão institucional da comunidade dos fiéis. São, sobretudo, escritos tardios, posteriores a sua experiência conciliar e provocados pelo retrocesso autoritário da Igreja com relação às conquistas do Vaticano II. Em nossos dias os católicos mais conscientes sentem, mesmo que não saibam exprimi-lo corretamente, uma defasagem entre a sociedade atual, pluralista, participativa, de liberdade de expressão, e de diálogo e a configuração institucional da Igreja de cunho monárquico, autoritário, centralizador moldado em padrões sociais do passado. Rahner lutou sempre pela necessidade de um espaço de opinião pública na Igreja, pela maioridade do leigo cristão, pela fidelidade ao Espírito, pela respeito à Igreja Local, pela liberdade da reflexão teológica séria. Mas em seus últimos anos de vida sua preocupação maior foi com as estruturas institucionais da Igreja. Seu pequeno livro Mudança estrutural da Igreja como tarefa e como chance advoga uma Igreja não clerical, não moralista, serviçal, aberta, de orientações concretas, dotada de autêntica espiritualidade, ecumênica, com a participação de todos e crítica diante da sociedade. São páginas escritas com o coração de quem muito amou esta Igreja e sempre a serviu com fidelidade, mesmo que possamos discordar de alguns trechos.

IHU On-Line - São ainda atuais os escritos deste teólogo sobre o ecumenismo e sobre as religiões não cristãs?

Mário de França Miranda - Uma breve palavra sobre os escritos ecumênicos deste teólogo. Rahner sempre demonstrou conhecer os principais teólogos luteranos ou calvinistas, embora não costumava citá-los, seja porque seu modo de fazer teologia era muito pessoal e seja porque procurava então dar uma “versão católica” às afirmações dos teólogos da Reforma. Embora reconhecendo que a caminhada ecumênica era longa e difícil, ele constatava certa falta de vontade política por parte dos dirigentes com relação à questão do ecumenismo, fato este que perdura até nossos dias. Daí sua inquietação calorosa traduzida em seus últimos escritos, que conservam grande atualidade.

Também não vejo como se possa oferecer uma base teológica para respaldar o respeito devido às religiões não cristãs prescindindo-se da teologia da graça deste teólogo, bem como de suas primeiras intuições a respeito das outras religiões como grandezas históricas. Mesmo o diálogo inter-religioso depende em boa parte das sendas abertas por Rahner, embora devam ser completadas por novos fatores surgidos no próprio exercício deste diálogo.

Como pode concluir o leitor a reflexão teológica de Karl Rahner, sem dúvida difícil pela sua profundidade e pela amplidão da problemática, conserva ainda em nossos dias uma grande atualidade, desde que não nos limitemos a apenas repeti-lo, mas avancemos nas trilhas abertas por ele conforme ele próprio fez com os mestres que o guiaram na aventura teológica.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição