Edição 286 | 22 Dezembro 2008

Autonomia e submissão: Yeda Crusius e a administração do Rio Grande do Sul

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Bruna Quadros

O Instituto Humanitas Unisinos – IHU acaba de lançar mais uma edição dos Cadernos IHU Idéias. Desta vez, Autonomia e submissão: o sentido histórico da administração Yeda Crusius no Rio Grande do Sul é o tema da publicação, que tem a autoria do Prof. Dr. em Ciências Sociais Mário Maestri, formado pela Université Catholique de Louvain, na Bélgica.

Na obra, o autor ensaia uma síntese analítica sintética da formação do Estado regional sul-rio-grandense como instrumento de imposição da hegemonia das classes dominantes regionais, da Colônia, no Império, e, particularmente, na República.

De acordo com Maestri, no primeiro semestre de 2008 há três sucessos políticos sulinos que causam profunda perplexidade aos cientistas sociais rio-grandenses e brasileiros. Tais sucessos são as incessantes denúncias sobre corrupção generalizada da Administração Yeda Crusius; a criminalização dos movimentos sociais pelo atual governo rio-grandense, com destaque para a repressão político-policial do MST; a falta de reação da população sulina que violentam o que se acredita serem tradições regionais históricas essenciais e parte do tão propalado “orgulho de ser gaúcho”: a probidade pública republicada e o respeito aos direitos cidadãos mínimos.

Maestri destaca que são diversas as explicações apresentadas para estes fenômenos. “Afirma-se que a corrupção cresceu apenas qualitativamente, já que ela teria também no Sul raízes profundas e históricas.” Já em relação à criminalização dos movimentos sociais, com destaque para o MST, promovida pelo governo e pela Justiça rio-grandense, o autor afirma que nada traria de novo, “sendo apenas movimento tático com o fim de reconquistar apoios para a administração debilitada por sucessivos tropeços nascidos de indiscutível inabilidade política da governadora e das crescentes denúncias de corrupção envolvendo ela, o Detran, o Banrisul, o Daer etc.”

Para conferir, na íntegra, o conteúdo da publicação, acesse a página eletrônica do Instituto Humanitas Unisinos – IHU (www.unisinos.br/ihu), onde o arquivo estará disponível para dowlnoad. A edição impressa pode ser adquirida na Livraria Cultural e/ou pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .

Mário Maestri é graduado em Ciências Históricas, pela Université Catholique de Louvain, na Bélgica, onde também realizou mestrado e doutorado na mesma área. Em 1991, fez o pós-doutorado na mesma universidade. Atualmente, é professor da Universidade de Passo Fundo. É autor de Uma história do Rio Grande do Sul: a ocupação do território (Passo Fundo: UPF Editora, 2006), O escravo no Rio Grande do Sul: trabalho, resistência, sociedade (Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006) e Antonio Gramsci: vida e obra de um comunista revolucionário (São Paulo: Expressão Popular, 2007), entre outros.

Leia mais...

Confira outras entrevistas concedidas por Mário Maestri. Acesse nossa página eletrônica: www.unisinos.br/ihu.

Entrevistas concedidas para a revista IHU On-Line:
- A erosão da ética republicano castilhista – edição número 264, de 30-06-2008.

Entrevistas concedidas para a página eletrônica:
- “Há muita demagogia sobre a honestidade política das elites rio-grandenses” – publicada nas Notícias do Dia em 17-06-2008;
- A presença do negro no Rio Grande do Sul ontem e hoje – publicada nas Notícias do Dia em 27-11-2007
- Interpretações do Brasil: impactos da escravidão – publicada nas Notícias do Dia em 13-04-2007.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição