Edição 285 | 08 Dezembro 2008

IHU Repórter - Susane Garrido

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Bruna Quadros

A professora Susane Garrido, que integra a docência da Unisinos desde 1996, é um exemplo de determinação e superação. Ainda na infância, ela traçava as metas de sua vida. Em primeiro plano sempre estavam os estudos. Hoje, ela se orgulha de já ter realizado muitos dos seus objetivos, como, por exemplo, constituir a sua família e conseguir dar continuidade aos seus estudos. Ao visitar a redação da revista IHU On-Line, para falar sobre a sua trajetória de vida, ela destacou que os filhos têm importante papel na sua formação pessoal e profissional. “Eles são meus companheiros de vida. Iam comigo para as aulas de mestrado na PUC.” Conheça um pouco mais da professora Susane, coordenadora do Unisinos Virtual:

 

Origens - Eu nasci em Porto Alegre. Estou com 40 anos e tenho uma irmã mais nova do que eu. Nossos pais ainda são vivos e ainda tenho uma avó, que está com 85 anos. A dona Serafina é o meu ídolo, em quem eu me inspiro muito. Ela é uma pessoa com uma história de vida difícil, mas, ao mesmo tempo, uma mulher com muita fibra. E me identifico com isso. Minha mãe, Dalva Lopes, ainda trabalha. Ela é funcionária do Hospital São Pedro, em Porto Alegre. Meu pai, Doracy Lopes, era funcionário público da Secretaria da Fazenda. Hoje, ele está aposentado.

Valores - Sou uma pessoa que valoriza a família. Além disso, carrego valores como perseverança e lutas. Não venho de uma família que teve tudo fácil. Sempre tivemos que batalhar muito. E isso me valorizou muito como profissional. Outro ponto de vista é a questão da ética. Vivemos em valores éticos muito claros, de limites, de respeito com o outro.

Infância - Sou uma eterna criança. Brincava muito na infância e ainda brinco com os meus filhos. Eu tinha um imaginário muito fértil, quando era criança. Trabalhava fantasias do jeito que eu queria. E isso me ajuda nas coisas que faço no meu trabalho, me ajuda a ter a criatividade da qual necessito. Eu também fui uma criança muito livre, que andava muito de bicicleta e jogava bola com os meninos na rua, no bairro Partenon, em Porto Alegre, onde cresci. Ainda tenho amigos do tempo em que era criança.

Estudos - Até hoje sou muito estudiosa e me orgulho disso. Eu brincava e me divertia, mas meu foco eram os estudos. Tinha a consciência de que, a partir do estudo, poderia me desenvolver melhor. Eu traçava todos os meus planos na infância. Sabia exatamente onde queria chegar e o que iria fazer para conquistar os meus objetivos. Sempre ganhava premiações de melhor aluna. Hoje, condeno isso, porque vira uma competição consigo mesmo.

Formação superior - Fiz Química na PUCRS. Desde o primeiro grau, no colégio, eu sabia que queria cursar Química. Para mim, era uma ciência que potencializava a transformação das coisas. Dei aulas de Química durante bastante tempo. Depois, fiz mestrado em Educação, na PUCRS, com intercâmbio na Inglaterra. Nessa época, já tinha dois filhos: a Tahis, hoje com 18 anos, e o Henrique, com 16. Também fiz doutorado em Informática na Educação, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Família - Casei aos 20 anos, por opção minha e fui mãe aos 23. Hoje sou separada. Meu ex-marido, Ivan Garrido, também trabalha na Unisinos. Os valores que construí com família passo para os meus filhos. Sempre quis ter filhos e depois fazer as outras coisas que eu quisesse fazer.

Superação - Quando meus filhos cresceram um pouco, resolvi fazer o mestrado. Eles são meus companheiros de vida. Iam comigo para as aulas de mestrado na PUC. Várias vezes estudamos juntos e isso interferiu na vida deles.

Unisinos - Comecei a trabalhar aos 20 anos em uma escola pública, em Porto Alegre. Entrei na Unisinos em 1996 e sou apaixonada pela universidade. Já trabalhei na PUCRS, na UFRGS, no Unilassale. Como eu tinha todos os comparativos de outras instituições, sempre identifiquei na Unisinos uma forma de trabalhar que eu não via nas outras, como a formação humanista. Nunca passo para o aluno somente o conteúdo, mas, sim, valores pessoais aliados ao conhecimento. Passei por várias mudanças aqui na Unisinos. Todas elas melhoraram a universidade. De 2005 para cá, com a nova gestão, a instituição se reinventa.

Realizações - Estou satisfeita com o que tenho, mas sempre buscando coisas diferentes. Mesmo quando algumas coisas podem não dar certo, luto para que aconteça. Sou uma pessoa realizada dentro de tudo que almejei e conquistei.

Lazer – Se tenho tempo, gosto de viajar para a serra gaúcha ou para a Europa. Já o lazer da semana é estar em casa com os meus filhos. Até o ano de 2005, eu nadava e participava de competições. Depois que assumi a coordenação do Unisinos Virtual, além de lecionar no curso de Pedagogia, não consegui mais conciliar o esporte com o trabalho.

Autor – Leio muito. Uma área da qual gosto muito é a neurociência, porque trabalhei este tema no doutorado. Também gosto de leituras menos técnicas, como Alma imoral, de Nilton Bonder.

Filme – Quem somos nós?, dirigido por Betsy Chasse, Mark Vicente e William Arntz. A cor púrpura, de Steven Spielberg, também é um filme que marcou muito a minha vida.

Política brasileira – O Lula tenta fazer algo que ele dizia que faria enquanto não estava no poder. Não vejo grandes mudanças no cenário político e econômico, do ponto de vista das promessas que existiam. O Brasil aumenta empregos, diminui dívidas, mas a questão da educação, por exemplo, não muda. Há muitas idéias, mas não há aplicabilidade. Existe a turma do “vamos lá” e a turma do “vamos ficar como está”.

Instituto Humanitas Unisinos – Vejo o quanto são ricas as publicações do Humanitas, como a revista IHU On-Line. É um material que poderia ser utilizado como fonte bibliográfica em diversos cursos. No entanto, são poucos os que conhecem o trabalho desenvolvido no Instituto.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição