Edição 282 | 17 Novembro 2008

Dicionário Paulo Freire: mais que instrumento para facilitar a busca de informações

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Bruna Quadros e Patricia Fachin

Para Danilo Streck, pensa-se em ajudar os autores a encontrar referências na obra de Freire e em outras obras para fazer seus próprios caminhos na reflexão sobre a educação.

No dia 18 de novembro, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU,  promove o lançamento do livro Dicionário Paulo Freire (São Paulo: Autêntica, 2008), com uma conversa entre os autores que o organizaram: Euclides Redin, Jaime José e Danilo Streck. Este concedeu uma entrevista para a revista IHU On-Line sobre o tema, destacando que o livro precisa ser visto como parte de uma corrente de pensamento e de práticas que acreditam que uma outra educação, para outro mundo, é possível. Para Streck, o dicionário é apenas uma ferramenta e não peça-chave para a compreensão acerca dos processos de ensino. “É evidente que novos tempos colocam novos desafios e seria absurdo imaginar que podemos entender os problemas da educação atual lendo apenas Paulo Freire.”

Streck é mestre em Educação Teológica, pelo Princeton Theological Seminary. É doutor em Fundamentos Filosóficos da Educação, pela Universidade do Estado de Nova Jersey (EUA), com a tese John Deweys and Paulo Freire view of the educational function of education, with special emphasis on the problem of method (A visão de John Dewey e Paulo Freire da função educacional da educação, com ênfase especial no problema do método). No momento, está desenvolvendo o projeto de pesquisa Processos participativos emancipatórios na América Latina como mediação pedagógica para a constituição do público e é professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisinos.

De sua extensa produção intelectual, destacamos as seguintes obras: Rousseau e educação (Belo Horizonte: Autêntica, 2004), Correntes pedagógicas: uma abordagem interdisciplinar (Petrópolis: Vozes, 2005) e Erziehung für einen neuen Gesellschaftsvertrag (Siegen: Athena, 2006). É um dos organizadores de Pesquisa participante: a partilha do saber (Aparecida: Idéias & Letras, 2006).

HU On-Line - Qual o interesse e a relevância de publicar o Dicionário Paulo Freire , onze anos após sua morte?

Danilo Streck - A partir dos muitos trabalhos em torno da obra de Paulo Freire, havia a sensação de que era chegado o tempo de organizar um livro que desse uma visão de conjunto da sua obra. A idéia surgiu no contexto dos fóruns “Leituras de Paulo Freire” que realizamos anualmente, sempre em uma universidade diferente. Por coincidência, o livro foi lançado na décima edição do Fórum, na Unisinos, onde o mesmo havia iniciado há dez anos. Outra coincidência em termos de datas são os 40 anos da Pedagogia do Oprimido, um fato pouco lembrado nas rememorações de 1968. 

IHU On-Line - Como o Dicionário Paulo Freire apresenta o pensamento freireano?

Danilo Streck - Cada autor teve autonomia para enfocar o tema a partir de sua própria leitura. Seria incoerente fazer uma obra coletiva sobre Paulo Freire, que tem a autonomia como um de seus temas centrais, dizendo aos autores como deveriam apresentar o pensamento de Paulo Freire. Há, por isso, perspectivas distintas e que se completam. O que foi solicitado é que cada autor situasse o verbete na obra de Paulo Freire e também procurasse refletir sobre o contexto teórico mais amplo no qual se situa esta palavra ou expressão. Além, claro, de orientações quanto ao tamanho e de formatação.

IHU On-Line - De que maneira a obra nos ajuda a compreender e pensar a Educação, hoje?
Danilo Streck
- Dicionários são instrumentos para facilitar a busca de informações, para tirar dúvidas ou para confirmar determinadas idéias. De certa forma, o livro representa uma espécie de síntese do pensamento de Paulo Freire, composta de muitas perspectivas. Pensa-se em ajudar os autores a encontrar referências na obra de Freire e em outras obras para fazer seus próprios caminhos na reflexão sobre a educação.

IHU On-Line - Em que medida o dicionário auxiliará os educadores a reinventarem a práxis educativa?

Danilo Streck - O livro precisa ser visto como parte de uma corrente de pensamento e de práticas que acreditam que uma outra educação, para outro mundo, é possível. É uma contribuição modesta diante do grande trabalho que temos pela frente e também no contexto de muitas iniciativas que existem. De acordo com depoimentos que temos sobre o dicionário, ele está cumprindo o papel de facilitar esclarecimentos sobre temas e estabelecer relações entre conceitos, com isso possibilitando a mais pessoas repensarem a sua prática com um conjunto de instrumentos teóricos reunidos em um mesmo livro.

IHU On-Line - Qual a importância de reler e reescrever sobre Paulo Freire? Sua luta por uma educação humanizadora ainda é relevante para pensar a escola, nos dias atuais?

Danilo Streck - Não sei se entendi o “ainda” da pergunta. Enquanto existirmos como gente, a grande tarefa que temos é compreender-nos como pessoas e povos que habitam a mesma casa e compartilham um destino comum. É evidente que novos tempos colocam novos desafios e seria absurdo imaginar que podemos entender os problemas da educação atual lendo apenas Paulo Freire. É a própria prática que nos estimula a buscar novas referências a partir das limitações que sentimos. Freire diz que foi o contato com as favelas do Recife, para onde havia ido por certa “camaradagem com Cristo”, que o fez ler Marx  e outros autores para poder entender a realidade destes favelados. Este mesmo desafio de buscar informações e explicações sobre o mundo em que vivemos se coloca para cada um de nós quando buscamos compreender a nossa prática e a nossa vida, individual e coletiva. Nesse sentido, espero que o dicionário sirva para ir além de Paulo Freire.

IHU On-Line - Como foi feita a seleção dos 200 verbetes e a escolha dos 75 participantes?

Danilo Streck - Foi um processo longo. Buscou-se ver a ocorrência do termo na própria obra de Freire, assim como a relevância para a compreensão de seu pensamento. Uma primeira lista foi circulada entre os autores convidados, que propuseram acréscimos ou alterações. Quanto aos autores, há uma mescla de colegas que participam regularmente do Fórum que mencionei acima e de estudiosos da obra de Paulo Freire no país e no exterior. Temos consciência de que há muitas outras pessoas competentes sobre a obra de Paulo Freire e que poderiam ser feitos muitos outros dicionários. Pensamos, para o próximo ano, fazer uma revisão maior do livro, incluindo novos verbetes que estão sendo sugeridos e também outros autores, buscando qualificar ainda mais o trabalho.

IHU On-Line - Como os 200 verbetes escolhidos para a composição da obra revelam o caráter transformador da pedagogia freireana?

Danilo Streck - Em certo sentido, o fato de nos encontrarmos com um mesmo propósito já parece ser um sinal do caráter dialógico e transformador da obra freireana. Vejo a obra de Freire como uma grande plataforma onde há muito espaço a construção conjunta de alternativas. A dificuldade de enquadrá-lo em uma escola de pensamento é uma virtude que desafia a sair da própria casa, cruzar fronteiras e encontrar o outro. Parece que é isso que cada um dos 75 autores fez quando se dispôs a colaborar neste trabalho.

Para saber mais...

Euclides Redin é graduado em Pedagogia, pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Nossa Senhora da Imaculada Conceição, em Viamão (RS), especialista em Orientação Educacional e mestre em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), e doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, pela Universidade de São Paulo (USP). Redin participou da edição número 281 da revista IHU On-Line, intitulada Os desafios da escola hoje. 50 anos do curso de Pedagogia da Unisinos, com a entrevista “O pedagogo. Amigo da criança e intelectual crítico”.

Jaime José Zitkoski é doutor em Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e professor na mesma instituição. É o autor dos Cadernos IHU número 21, intitulado Educação popular e pós-modernidade: um olhar em tempos de incerteza. Confira nas Notícias do Dia, publicadas no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, uma análise de Zitkoski sobre O sonho vislumbrado da educação popular. O conteúdo está disponível em www.unisinos.br/ihu.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição