Edição 269 | 18 Agosto 2008

Cláudio Perani: Um educador de educadores

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Ivo Poletto

Ivo Poletto, assessor de pastorais e movimentos sociais, é autor deste depoimento sobre o Pe. Cláudio Perani, falecido na madrugada de 8 de agosto, em Manaus. Perani tinha 55 anos de vida religiosa na Companhia de Jesus, tendo sido o primeiro superior do Distrito dos Jesuítas na Amazônia, hoje Região Brasil Amazônia - BAM.

Faleceu na madrugada de 8 de agosto, em Manaus, o Pe. Cláudio Perani, uma semana antes de completar 77 anos de idade. Pe. Cláudio tinha 55 anos de vida religiosa na Companhia de Jesus, tendo sido o primeiro superior do Distrito dos Jesuítas na Amazônia, hoje Região Brasil Amazônia - BAM. Antes disso, havia fundado e coordenado por vários anos o Centro de Estudos e Ação Social – CEAS, em Salvador. Do CEAS, desafiava a ditadura militar. Esteve presente em todo o processo de luta pela anistia política e participou ativamente da fuga de Theodomiro Romeiro dos Santos, o primeiro militante condenado à morte pela ditadura militar.

A sua mais recente missão como jesuíta foi coordenar o Serviço de Ação e Reflexão Social – SARES, em Manaus.

Com José de Souza Martins, sociólogo da USP, escreveu o livro Sonhos e desejos dos lavradores: desafios para a CPT (São Paulo: Edições Loyola, 1992), com base nas avaliações sobre a ação da Comissão Pastoral da Terra, as experiências de luta, os desejos e desencantos dos trabalhadores, a verbalização da esperança e da desesperança dos lavradores. O sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, através das Notícias do Dia, em 12-08-2008, noticiou o falecimento do Padre Cláudio Perani.

O artigo a seguir foi enviado por Ivo Poletto, assessor de pastorais e movimentos sociais. Poletto trabalhou durante os dois primeiros anos do governo Lula como assessor do Programa Fome Zero e foi o primeiro secretário-executivo da Comissão Pastoral da Terra (CPT). Autor, entre outros, do livro Brasil, oportunidades perdidas – Meus dois anos no governo Lula (Rio de Janeiro: Garamond, 2005). É filósofo, teólogo, cientista social e educador popular.

Confira o depoimento.

 

Como muitas outras pessoas, sentirei a falta de Cláudio. Foi marcante a presença deste grande teólogo e educador popular em minha vida. Como forma de reconhecimento, quero destacar alguns dos tempos fortes desta convivência, parceria, inspiração.

Jovens estudantes engajados

Nossa amizade e parceria começaram nos anos sessenta de século passado. Ele cursava teologia no Colégio Cristo Rei, em São Leopoldo, e eu filosofia, em Viamão. Tempo conciliar: desafios de abertura insistentes, tentativas de manter estruturas intocáveis. Foi assim que o Concílio Vaticano II foi vivido por nós. Uma das formas de levar à prática os desafios de abertura foi o esforço em favor de uma articulação entre estudantes de filosofia e teologia nos seminários do Brasil. As “uniões”, como foram denominadas, tiveram início no Rio Grande do Sul, com a USMAS: União dos Seminaristas Maiores do Sul.  Um dos seus mais firmes animadores foi Cláudio Perani. Mesmo tendo desaparecido, por causa da repressão eclesiástica, essa articulação contribuiu na revisão e reelaboração dos currículos de filosofia e teologia em muitos centros de formação religiosos e diocesanos.

Fazem parte do mesmo tempo conciliar dois seminários promovidos por estudantes jesuítas, capuchinhos e diocesanos, em que, mais uma vez, tive a alegria de trabalhar com Cláudio Perani, um dos mais entusiastas organizadores. O primeiro assumiu o desafio de aprofundar a temática da Teologia do Desenvolvimento, e foi realizado no seminário de Viamão. Foi nesse Seminário que Hugo Assmann,  então vigário nos bairros de Porto Alegre e impedido de ser professor de moral no seminário de Viamão, fez duas palestras, cujo conteúdo está entre as raízes germinais da Teologia da Libertação.  Uma abordou a temática da Crítica da Ética do Desenvolvimento Capitalista, e a segunda avançou positivamente na temática da Ética da Revolução. O segundo Seminário, realizado em São Leopoldo, teve como temática o pensamento de Teilhard de Chardin.  Cláudio já estava mergulhando na desafiadora perspectiva de Teilhard, uma vez que decidira assumi-la como tema de sua tese de final do curso de teologia. E o Seminário, encarando as proibições ainda vigentes em relação a Teilhard, foi essencial na criação de um espírito aberto à realidade, um espírito de liberdade no diálogo com a ciência e com os construtores de novas sociedades.

Apoio à articulação contra da dominação ditatorial

Entre tantas outras, destaco uma atividade realizada em fevereiro de 1974, em Salvador, Bahia: "Primeiro Encontro de Articulação. De quê se trata?". Já haviam sido publicados, em 1973, três textos conjuntos de bispos, superiores religiosos e missionários, todos analisando criticamente a realidade e tornando público o compromisso dos autores com a pastoral e a educação popular, duas frentes de trabalho duramente perseguidas. Trata-se do “Ouvi os Clamores do meu Povo”, sobre a realidade do Nordeste; “Marginalização de um Povo: o Grito das Igrejas”, sobre a realidade do Centro-Oeste; e “Y-Juca- Pirama: o Índio, Aquele que deve morrer”, sobre a realidade dos povos indígenas. O “grupo não grupo” de bispos, responsável pelos três textos, ao avaliar seu efeito na sociedade brasileira, decidiu apoiar um encontro de articulação, para que pudessem reunir-se, trocar experiências e organizar-se as pessoas e grupos que realizavam, junto às bases, os trabalhos de pastoral e educação popular.

É claro que tal iniciativa seria vista com suspeita e poderia ser reprimida. Cláudio Perani e o CEAS assumiram o risco, patrocinaram e garantiram a coordenação da atividade. E foi dos seus desdobramentos que nasceram as pastorais sociais, a começar da Pastoral da Terra.

Lutando por uma pastoral com os pés junto ao povo

É isso que se deve dizer, ao lembrar Cláudio Perani: ele foi, com certeza, o assessor mais firme no sentido de chamar a CPT a manter-se junto aos povos do campo, superando as tentações que vinham das igrejas e da sociedade. Nada de ser direção; nada de tornar-se movimento social, substituindo a iniciativa dos trabalhadores; nada de forçar a entrada dos trabalhadores em lutas que não correspondessem ao seu nível de consciência e de organização; nada de querer fazer todo tipo de trabalho pastoral, descuidando do serviço essencial de uma “pastoral social”, vivendo a certeza de que essa missão “social” já era uma evangelização de primeira qualidade...

Creio que sua espiritualidade, profundamente enraizada em Jesus de Nazaré, alimentou sua mística de amor fiel e gratuito aos empobrecidos. Um amor que se manifestava no desejo de presença direta, de diálogo paciente, de descoberta das capacidades de cada pessoa e cada grupo. Um amor presente especialmente no respeito ao processo de crescimento de cada pessoa e grupo, na fidelidade ao protagonismo popular. Um amor presente também na pronta e profunda crítica ao dirigismo e ao elitismo, tão presentes na experiência das esquerdas brasileiras; e na crítica radical das estruturas injustas da sociedade capitalista.

Na verdade, sua contribuição não se limitou às pastorais sociais. Ela se estendeu às comunidades eclesiais de base, à busca de alternativas para seu querido Nordeste, durante tantos anos, e da amada Amazônia, em seus últimos anos. Articulando o melhor da Teologia da Libertação com o mais rico tesouro da Educação Popular, Cláudio foi um educador de educadores; um admirável mestre.

A busca de caminhos amazônicos

A Amazônia é provavelmente o bioma mais ameaçado, seja em relação aos seus povos, seja em relação a todos os fatores que fazem dele um rico espaço de biodiversidade. Por isso, admirável a inserção de Cláudio no mundo amazônico, sua dedicação à busca de reais alternativas populares de convivência com a região. Uma vez mais, nada de complacência com soluções vindas de fora e de cima; mais uma vez, sua fidelidade ao povo, à sua criatividade e capacidade de indicar, abrir, conquistar os caminhos mais adequados para se viver nessa região.

Falei sempre de Cláudio, e não de padre Cláudio. Creio que isso tem a ver com a maneira que ele viveu sua consagração como religioso jesuíta. Nada o separava da vida comum dos cristãos e cristãs, a não ser seu testemunho de alegria, de esperança e amor aos empobrecidos. Não fazia distinções, nem desejava aparecer. Dava sua contribuição com simplicidade e competência. Revelava Deus pela sua vida, pela sua permanente abertura ao diálogo. Não se deixava prender pelas estruturas, sempre vistas como meio. Por isso, ao assumir responsabilidade na Amazônia, fez questão de animar os trabalhos de uma equipe ambulante de missionários/as, livres para estar onde o povo está, compartilhando sua fé, seus valores, seus sofrimentos e esperanças.

Na certeza de que Deus já o surpreendeu com novas possibilidades de realização e felicidade, o que me resta é desejar que ele nos acompanhe, agora de um jeito que ainda não conhecemos, e nos ajude a sermos fiéis no seguimento evangelizador de Jesus de Nazaré.


Leia mais...

>> Confira outras entrevistas concedidas por Ivo Poletto. 

Entrevistas:

* Amazônia e seu povo. Propostas e práticas de convivência com este bioma. Notícias do Dia, de 01-03-2007

* As contradições da transposição do Rio São Francisco e a palavra forte e profética de D. Cappio. Notícias do Dia, de 22-01-2008

Artigo:

• Odair Firmino: uma vida a serviço dos empobrecidos. Revista IHU On-Line, edição no. 265, 21-07-2008

Últimas edições

  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição