Edição 260 | 02 Junho 2008

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

SUS: 20 anos de curas e batalhas

Há 20 anos, com a Constituição de 1988, foi implantado no Brasil o Sistema Único de Saúde (SUS), oferecendo a todos os brasileiros e brasileiras, sem exceção, o acesso integral à saúde em todos os seus âmbitos, tendo como princípios básicos a universalidade, a integralidade, a eqüidade, a participação da comunidade, a descentralização político-administrativa e a hierarquização e regionalização. Passadas duas décadas de funcionamento, muitos ainda não se dão conta da importância do SUS e do quanto seus serviços estão inseridos no cotidiano da população, não apenas por meio dos tratamentos e consultas. Todos somos beneficiados pelo SUS, por exemplo, pelo sistema de vacinação. No entanto, as críticas e os problemas ainda são grandes. E é para discutir a situação atual do SUS, a partir dos 20 anos de sua história, que a IHU On-Line conversou com alguns especialistas e profissionais da área da saúde.

Entrevistamos o professor Eugênio Vilaça, que critica o problema da segmentação do SUS e acredita que o sistema não atingiu a todas as expectativas dos constituintes e do movimento sanitário; o professor Gastão Wagner, da Unicamp, para quem o SUS expande o atendimento ao mesmo tempo em que deixa a desejar em qualidade e humanização; o professor Hesio Cordeiro, da Universidade Estácio de Sá, que considera que a saúde coletiva e a integralidade são dois conceitos importantes para a construção do SUS; o médico e escritor Moacyr Scliar, que afirma: “ruim com SUS, pior, mas muito pior, sem ele”; a professora e pesquisadora Sarah Escorel, da Fundação Oswaldo Cruz, que vê o SUS como um sistema de saúde completamente inovador, mas reconhece que nem sempre todos são atendidos exatamente na hora em que precisam; a professora Sônia Fleury Teixeira, da Fundação Getúlio Vargas, que fala sobre as raízes que deram origem ao Sistema Único de Saúde brasileiro, e destaca que o SUS é e deve ser uma política de Estado, independente da boa vontade de qualquer governo. Contribui também nesta edição o médico Paulo Gadelha, que faz uma retrospectiva histórica do SUS e da saúde pública.

Agradecemos a sempre gentil colaboração da professora Stela Meneghel, do PPG em Saúde Coletiva da Unisinos, que contribuiu para a elaboração desta matéria de capa.

Confira também, nesta edição, uma entrevista com o professor Luiz Alberto Oliveira, que esteve na Unisinos, semana passada, proferindo a conferência “CiberCentauros” (a possível hibridização entre homens e máquinas) durante o Simpósio Internacional Uma sociedade pós-humana? Possibilidades e limites das nanotecnologias, e outra entrevista com a poeta cearense Virna Teixeira, sobre a importância da poesia no conturbado mundo contemporâneo.
Publicamos dois poemas do poeta, também do Ceará, Eduardo Jorge, intitulados “quando o desvio” e “os gatos de merce cunningham”, respectivamente.

A todas e todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição