Edição 352 | 29 Novembro 2010

“Classe média, renda e crédito são sinônimos do capitalismo”

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart



IHU On-Line - Nesse novo cenário, o senhor identifica um favorecimento do capital e do trabalho?

José Dari Krein – Quando se tem crescimento econômico, como tivemos no período recente, é muito mais fácil acomodar os diferentes interesses presentes na sociedade, inclusive fazer melhores políticas públicas. É impossível imaginar uma política de valorização do salário mínimo sem ter como pressuposto o crescimento econômico. O segundo aspecto que gostaria de destacar é que, na sociedade brasileira, há crescentemente uma polarização entre as forças que defendem e os setores que são contra Lula e o lulismo. Dentro disso, quase a totalidade do movimento sindical e do trabalho acabou assumindo a defesa das conquistas do período recente contra essa polarização da sociedade. O terceiro aspecto que quero colocar é que temos, nesse cenário, do ponto de vista econômico, a formação de um novo bloco político de poder, que tem uma tentativa de proposta desenvolvimentista para o país. Aqui temos uma articulação entre parte do capital e parte do trabalho. Então, nesse sentido, quando há um período de crescimento econômico, temos um processo de acomodação de interesses, inclusive entre setores da burguesia e do proletariado.

IHU On-Line - Na sua opinião, há necessidade de um ajuste fiscal no próximo governo ou não? E como conciliar isso com os investimentos que o país precisa fazer?

José Dari Krein – Nos últimos anos, o governo brasileiro tem feito ajuste fiscal, mesmo no governo Lula. O que percebemos como tendência é uma queda do montante da dívida em relação ao PIB, ou seja, a riqueza gerada. E essa queda expressiva se explica não tanto pelo ajuste fiscal, mas fundamentalmente pelo crescimento econômico. Não vejo necessidade de aprofundar o ajuste fiscal nesse momento, mesmo que alguns apontem o risco de inflação. É fundamental ampliar a melhoria das políticas sociais, especialmente na questão da saúde e da educação.

IHU On-Line - O que fazer com o pré-sal, na sua visão? Vendê-lo como commodity ou usá-lo para dar um salto de qualidade no país?

José Dari Krein – O pré-sal precisa ser gerido pelo Estado, colocando-o a serviço de pensar o país estrategicamente. Mesmo sabendo que o petróleo é uma commodity, uma fonte energética poluidora, destruidora do meio ambiente, ele ainda tem espaço. Hoje se debate muito sobre a criação de um fundo de reserva para não inundar o Brasil de dólares, o que causaria um desequilíbrio econômico, ou a chamada doença holandesa. Precisamos considerar aqui que o Brasil tem um déficit muito grande nas áreas da educação e da saúde. Por isso, usar o pré-sal para dar um salto de qualidade no país seria fundamental para fazer esses investimentos necessários nos serviços sociais centrais para a sociedade. O ritmo da exploração do pré-sal deve estar de acordo com os interesses do Brasil.

Leia mais...

>> Confira outras entrevistas concedidas por José Dari Krein à IHU On-Line. Acesse nossa página eletrônica (www.ihu.unisinos.br).

* Por uma redução abrupta da jornada de trabalho. Entrevista publicada nas Notícias do Dia do sítio do IHU em 01-06-2010;
* O esgotamento de um modelo de desenvolvimento e da globalização neoliberal. Edição número 291, de 04-05-2009, intitulada O mundo do trabalho e a crise sistêmica do capitalismo globalizado;
* Não basta reduzir a jornada de trabalho. É necessário fiscalizar. Edição número 256, de 28-04-2008, intitulada O mundo do trabalho no Brasil de hoje. Mudanças e novos desafios;
* A contribuição sindical é uma proposta positiva e necessária. Notícias do Dia do sítio do IHU em 10-09-2008;
* Tendências recentes das relações de emprego no Brasil. Notícias do Dia do sítio do IHU em 09-04-2007;
* Um pacote pontual. Uma análise da reforma trabalhista de Lula. Notícias do Dia do sítio do IHU em 20-04-2006.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição