Edição 352 | 29 Novembro 2010

Um fordismo tupiniquim que concilia interesses

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart



IHU On-Line - Qual é a origem da postura conservadora que o senhor observa na classe média brasileira hoje?

Rudá Ricci - A origem do conservadorismo é o ressentimento. Algo que Richard Sennet  já havia esboçado teoricamente no livro O Declínio do Homem Público. O ressentimento se dá contra toda estrutura pública (incluindo as autoridades) que sempre a relegaram à pobreza. Nunca leram, coisa de ilustrados que sempre os humilharam. Só acreditam em sua família e nos grupos íntimos. E acredita que chegou sua vez. Enquanto o lulismo lhe garantir este consumo, o apoiará. Mas o conservadorismo é maior que o apoio a um político. O que cria um campo de tensões e uma espécie de bomba relógio (que já explodiu com o Tea Party , nos EUA e no movimento de classes médias da Espanha). Veremos se Dilma conseguirá desarmar ou ao menos lidar com esta bomba de efeito retardado, latente.

IHU On-Line - Que diferenças o senhor percebe entre a nova classe média e a classe média tradicional brasileira, que já existia antes do governo Lula? Como elas se relacionam?

Rudá Ricci - Como afirmei, a classe média tradicional se vê vilipendiada, tendo seus direitos adquiridos com trabalho sugados pela política de transferência de renda. Já a nova classe média é ressentida, pragmática, desconfiada, religiosa, quase fundamentalista. A classe média tradicional é mais convicta na oposição que faz ao lulismo. Já a emergente é mais pragmática.

IHU On-Line - Como a nova classe média brasileira influencia no projeto estatal-desenvolvimentista?

Rudá Ricci - Em período eleitoral. E só. Neste momento, o lulismo se esforça em se revelar bem intencionado, mesmo que não apareça como amigo desde a infância. Fora este período, é tratada como se sente.

IHU On-Line - Que leitura histórica será feita do lulismo no futuro?

Rudá Ricci - Como um dos mais importantes modelos de gestão do Estado Republicano brasileiro. Estará ao lado do getulismo. Não vejo mais nenhum outro período com tamanho impacto sobre a sociedade brasileira que estes dois. É verdade que se alimentou de um período internacional peculiar. Período marcado pela crise europeia, pela transição do domínio internacional norte-americano para o domínio chinês, pela queda gradativa do dólar como moeda de estabilidade e confiança nos negócios internacionais, pela crise das estruturas garantidoras da paz mundial criadas no pós-Guerra. O Brasil conseguiu surfar na ânsia de consumo chinês. Mas também criou um modelo de desenvolvimentismo, se impôs no cenário internacional (politicamente, na América Latina, e economicamente, nos embates da OMC e na compra de importantes empresas dos EUA, no avanço dos negócios brasileiros na África e América do Sul). Temos, hoje, um mercado interno potente, que em cinco anos deverá se tornar o quinto do planeta (atrás apenas da China, EUA, Alemanha e Japão). Este gigantismo criou diversos problemas. Alguns citei anteriormente. Mas mudamos de patamar. Isto é inegável.

Leia mais...

>> Rudá Ricci já concedeu outras entrevistas à IHU On-Line. Confira na nossa página eletrônica (www.ihu.unisinos.br).

•    “Com o fim da era dos movimentos sociais, foi-se a energia moral da ousadia”. Entrevista publicada em 30-11-2009;
•    O PT a reboque do lulismo. Entrevista publicada em 10-9-2009;
•    “Um Brasil mais mosaico do que nunca”. Uma análise das eleições a partir de Minas Gerais. Entrevista publicada em 1-11-2008;
•    “A CUT vai caminhando para ser a antiga CGT do século XXI”. Entrevista publicada em 2-9-2008;
•    “Lula não é uma liderança de esquerda”. Entrevista publicada em 20-9-2006;
•    Os desafios dos movimentos sociais hoje. Entrevista publicada na IHU On-Line número 325, de 19-04-2010;
•    “As eleições manifestam a emergência de um movimento ultraconservador no Brasil”. Entrevista publicada nas Notícias do Dia de 05-11-2010;
•    Movimentos Sociais numa gestão Dilma ou Serra. Artigo publicado nas Notícias do Dia do sítio do IHU em 30-03-2010;
•    O lulismo e a esquerda latino-americana. Artigo publicado nas Notícias do Dia do sítio do IHU em 24-03-2010;
•    Comunitarismo e Democracia no Brasil. Artigo publicado nas Notícias do Dia do sítio do IHU em 20-03-2010;
•    Movimentos Sociais em discussão. Rudá Ricci responde a Valter Pomar. Artigo publicado nas Notícias do Dia do sítio do IHU em 13-12-2009.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição