Edição 255 | 22 Abril 2008

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

“A violência contra as mulheres possui uma grande diversidade de formas na sociedade contemporânea. Algumas delas são a violência física, a sexual e a psicológica. Mas a forma mais extrema de violência contra as mulheres é o femicídio ou o assassinato misógino”, afirma Montserrat Sagot, professora na Universidade da Costa Rica, em entrevista publicada nesta edição da IHU On-Line.Por sua vez, Stela Soares de Farias Cavalcanti, promotora de Justiça de Alagoas, constata que “a Lei Maria da Penha foi a primeira legislação brasileira a reconhecer a violência doméstica como violação dos direitos humanos, no art. 6º, e não poderia ser diferente, em razão dos altos índices de ocorrência deste crime no Brasil, um a cada 15 segundos”.

O tema de capa desta edição foi inspirado pela realização, nesta semana, do 2º Seminário Internacional Rotas críticas – Mulheres enfrentando as violências, em Porto Alegre, nos dias 24 e 25 de abril, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Unisinos e com o apoio do IHU. O seminário visa oportunizar espaço para identificar e explorar estratégias construídas para enfrentar as violências. Contribuem na discussão do tema nesta edição, além das especialistas supracitadas, Yara Regina Stockmanns, coordenadora do Centro Jacobina de Atendimento e Apoio à Mulher da Prefeitura Municipal de São Leopoldo, Lilia Schraiber, da USP, Martha Narvaz, coordenadora da Regional Sul do Observatório da Lei Maria da Penha, Lupicínio Iñiguez, da Universidade Autônoma de Barcelona, e Romeu Gomes, professor do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz, RJ. A colaboração, sempre competente e generosa, da Profa. Dra. Stela Nazareth Meneghel possibilitou a realização desta edição. A ela, os nossos agradecimentos e a viva esperança de podermos contar com a sua ajuda em outras parcerias. Nesta edição, a Profa. Stela também comenta o filme Jogo de cena, de Eduardo Coutinho, que retomamos devido à sua importância na filmografia brasileira.

“O último baluarte da ortodoxia neste governo é o Banco Central. O regime de metas de inflação brasileiro precisa ganhar um contorno mais heterodoxo urgentemente, para não matarmos o crescimento econômico”, constata José Luís Oreiro, diretor do Centro de Pesquisas Econômicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), ao refletir sobre a crise financeira internacional e os seus impactos na economia brasileira.

Por ocasião do 40º aniversário da encíclica Humanae Vitae, entrevistamos Márcio Fabri dos Anjos, do Centro Universitário São Camilo, de São Paulo.

Adriano Premebida, membro da rede de pesquisa em Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, reflete sobre o valor das nanotectnologias.

Entre outras matérias, pode ser lida também a entrevista com o poeta carioca Leonardo Gandolfi, que reflete, a partir do escritor Carlos de Oliveira, sobre a simbiose entre a vida e a (re)criação de textos.

O poeta gaúcho Eduardo Sterzi, por sua vez, envia alguns poemas de seu livro inédito para a editoria Invenção.

A todas e todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição