Edição 253 | 07 Abril 2008

Um relato de necessária omissão

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Greyce Vargas

Enquanto diversos teóricos analisam a união homossexual no mundo inteiro, a repórter Greyce Vargas, da redação da IHU On-Line, conversou com um casal de duas mulheres. Elas relatam brevemente as dificuldades que precisam enfrentar para lutarem pelo sonho de viverem juntas o amor que descobriram. Confira:

Andar na rua, fazer compras, passear no parque. Tudo é repensado quando, num país como o Brasil e, principalmente, numa sociedade conservadora como a gaúcha, sua opção sexual é vista pela maioria como diferente. Ser homossexual, apaixonar-se por alguém do mesmo sexo que o seu, quase sempre, é visto como algo errado. Se, por um lado, já pensamos na pós-modernidade, se já mudamos muitos dos nossos conceitos de vida, o conceito sexual ainda é retrógrado na sociedade. Que o digam Julia* e Maria*. Enquanto Maria não teve problema algum no trabalho e na família, Julia foi ameaçada no trabalho caso sua opção sexual fosse confirmada. Preferiu omitir. A opressão e a angústia são presentes na vida da maioria dos homossexuais, tratados geralmente como anormais. “Contar para minha família foi um alívio, pois ter a compreensão deles, dos mais próximos, principalmente, foi fundamental para que eu me sentisse bem comigo mesma”, contou-me Julia. Perguntei se, de alguma forma, elas precisam se preservar por causa da orientação sexual. “Sim, para manter o emprego e facilitar o convívio com pessoas preconceituosas muitas vezes temos que omitir situações e usar outros termos”, confessa.

Elas moram juntas há quase nove meses e preparam-se para fazer o documento que registra seu relacionamento como estável perante a lei. “Achamos que seja a única forma de assegurar nossos direitos em caso de separação ou morte, evitando, assim, transtornos com familiares e prejuízo para uma das partes”, diz. O documento não oficializa ou legaliza a união, mas é um registro legítimo com a intenção de reconhecer a união estável, sendo utilizado como prova material para fins jurídicos. Essa é, por enquanto, uma das poucas chances de assegurar, ao menos, os direitos civis mais importantes.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição