Edição 251 | 17 Março 2008

“A grande literatura teológica encontra-se principalmente na poesia”

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

O escritor francês Philippe Sollers considera a literatura do cristianismo “considerável”

“Cada experiência de linguagem é única, como deveria ser toda e qualquer concepção do divino”, afirma o crítico e escritor francês Philippe Sollers, em entrevista por e-mail à IHU On-Line. Para ele, a leitura intensiva do pensamento de Heidegger é absolutamente necessária para a compreensão do bem e do mal na literatura teológica. Philippe Sollers , autor de vasta obra, estudou na Escola Superior de Ciências Econômicas e Sociais, em Paris. No início da década de 1960, Sollers destacou-se como importante intelectual, empreendendo uma reflexão sobre a linguagem e suas relações com o real. Foi o editor da revista Tel Quel, referencial do pensamento estruturalista. No Brasil, foi publicada sua obra Sade contra o Ser Supremo (São Paulo: Estação Liberdade, 2001). A página pessoal do escritor é www.philippesollers.net

IHU On-Line - Quais são as principais limitações e desafios que a literatura teológica tem pela frente?
Philippe Sollers
- A literatura teológica, como você diz, está agora encerrada e tudo o que pôde ser dito está agora concluído. É, pois, preciso estudá-la e relê-la segundo uma restrita perspectiva histórica. Dito isso, aceito prazerosamente que se leiam meus romances como romances teológicos estrangeiros, no sentido em que Ernst Jünger  emprega esta expressão.

IHU On-Line – Qual é o poder de persuação da literatura teológica?
Philippe Sollers
- É um poder considerável, do qual se apossam infelizmente os clérigos para diluir sua força.

IHU On-Line - O senhor pesquisa as diversas formas literárias. Qual seria a especificidade da literatura no caso de obras teológicas?
Philippe Sollers
- A grande literatura teológica encontra-se principalmente na poesia. Aqui basta você recorrer à Divina comédia,  de Dante Alighieri . Evidentemente, todas as formas de misticismo, incluindo aquelas que não encerram necessariamente um acesso a Deus, devem ser estudadas. Aliás, eu erro falando de misticismo, como o prova o pensamento chinês fundamental.

IHU On-Line - A literatura do cristianismo pode ser considerada uma referência literária?
Philippe Sollers
- A literatura do cristianismo é, naturalmente, considerável. Ela comporta uma biblioteca onde me permitirá preferir Pascal  e Rimbaud  (Uma estação no inferno).

IHU On-Line - Como o senhor considera que foi registrada na literatura a ideologia neoreligiosa da Revolução Francesa (o culto de Ser Supremo)? Qual é a contribuição da literatura para a fixação deste novo paradigma?
Philippe Sollers
- Eu indico a vocês aqui o meu livro Sade contra o Ser Supremo,  que aborda exatamente esta questão. Esta invenção “revolucionária” foi, como vocês sabem, de Robespierre  e foi bem depressa abandonada nos fatos, mas não nas cabeças. Trata-se de uma extravagância como aquela do calendário revolucionário que deveria ter substituído o calendário cristão, o qual, salvo engano, ainda é hoje empregado em todas as transações econômicas.

IHU On-Line – De que maneira vê a importância das cartas e dos manuscritos enquanto documentos literários, para a constituição de uma literatura específica na área da teologia?
Philippe Sollers
- As cartas e os manuscritos são da mais alta importância histórica e, para citar apenas este exemplo, a vida e a obra de Santa Teresa de Ávila  o prova amplamente. Você lerá, em breve, uma obra fundamental de Julia Kristeva  sobre esta santa espanhola católica e doutora da Igreja.

IHU On-Line - Como o senhor vê que o bem e o mal estão retratados na literatura teológica?
Philippe Sollers
- Seria, enfim, preciso ler Para além do bem e do mal,  de Nietzsche,  como também toda a sua obra, como ultrapassagem simultânea da teologia e da filosofia. Indico aqui o meu romance Uma vida divina (Paris: Gallimard, 2006).  Ou seja, a leitura intensiva do pensamento de Heidegger é aqui absolutamente necessária.

IHU On-Line - Qual é a sua opinião sobre a forma como Deus, ou o Ser Supremo das religiões é descrito nas obras literárias teológicas?
Philippe Sollers
- Cada experiência de linguagem é única, como deveria ser toda e qualquer concepção do divino. No infinito, todo ponto é infinito e desenvolve sua própria forma.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição