Edição 240 | 22 Outubro 2007

Idiota. Quem?

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Quem nunca se sentiu um completo idiota? Ou um bobo e desiludido com a vida, tentando encontrar o seu lugar na existência humana?

É com essa idéia de idiotização que o diretor Lars Von Trier  brinca no filme Os idiotas (Idioterne). De acordo com a Profa. Dra. Gláucia Angélica Campregher, da Unisinos, o diretor “tem uma dimensão da idiotia que é negativa, péssima, onde os indivíduos de fato estão alienados da sociedade e são tratados como tal, como bobos”. Por outro lado, explica ela, “se há uma brincadeira onde indivíduos saudáveis se fingem de idiotas, nos perguntamos o que eles estão querendo com isso?”. A resposta é clara, diz a economista. “Os indivíduos estão querendo se reconhecer e perceber a sua dimensão de idiotização pelo sistema e o que eles são para além disso.”

Para refletir sobre a idiotice, um grupo de amigos reúne-se numa casa e passam a filosofar, tentando encontrar o idiota que está dentro de cada um. É com esse roteiro que o diretor Lars Von Trier nos convida a repensar nossa inclusão na sociedade. Na percepção da professora, os personagens do filme estão “tirando sarro da sociedade que exige deles uma série de comportamentos”. Ela acrescenta ainda que esse filme do Lars Von Trier mostra exatamente quem é o indivíduo “num dos atuais momentos do capitalismo e como esse indivíduo se coloca frente a um processo que para muito gente e para o próprio diretor do filme, é de idiotização das pessoas”. Para a professora, o diretor recupera a idéia de como nós podemos nos reaproximar tanto de nós mesmos e da sociedade.

Para ampliar o debate, a Profa. Dra Gláucia Angélica Campregher, da Unisinos, estará no Instituto Humanitas Unisinos – IHU participando do Ciclo de Cinema e Debate em Economia – O Capitalismo Visto pelo Cinema, apresentando a palestra O fenômeno da alienação, com a exibição do filme Os idiotas (Idioterne), de Lars Von Trier.  Para ela, a “idéia do Ciclo é mostrar não só como o capitalismo é visto pelo cinema, mas também alcançar a discussão da problemática do indivíduo”. O evento inicia às 8h45min e se estende até às 11h45min.

Glaucia já concedeu outras entrevistas à IHU On-Line. Destacamos a entrevista “A indústria top (e pop!) do mundo moderno”, publicada na edição 211, intitulada Amazônia. Verdades e mitos. O material está disponível no sítio do IHU (www.unisinos.br/ihu).



Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição