Edição 239 | 08 Outubro 2007

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Che Guevara

Há 40 anos, foi executado Ernesto Che Guevara. Passadas quatro décadas de sua prisão e execução, permanece vivo o símbolo de alguém capaz de dar sua vida pela causa que defendia. Admirado por muitos e detestado por outros, ele é o tema de capa da IHU On-Line desta semana.

Tirso Saenz, cubano, que foi vice-ministro de Che Guevara, recorda, no seu depoimento, detalhes do “convívio intenso” com o então ministro da Indústria de Cuba. Um outro depoimento narra o que se passou na selva boliviana há 40 anos. O médico e jornalista boliviano Reginaldo Ustariz Arze, que tocou e fotografou o corpo morto de Che Guevara, recorda como foram aqueles dias de outubro de 1967.

Quarenta anos depois, Che ainda inspira a muitos/as militantes no mundo inteiro, como João Pedro Stédile, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST. Segundo ele, o fato do Che ter “trocado os sofás, o ar condicionado e um bando de puxa-sacos que teria como ministro em Havana, além da fama, ele voltou a subir as montanhas e colocar sua vida em risco. Ele pagou com a própria vida a coerência com um ideal”. A dedicação à causa, a coerência de vida e a sua luta por um socialismo baseado em critérios políticos e éticos, portanto em ruptura com muitos esquemas dogmáticos então hegemônicos numa boa parte da esquerda internacional e latino-americana, é o que Peter McLaren, professor da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, igualmente, destaca. Por sua vez, a publicitária Luciana Matos analisa a absorção da imagem de Che Guevara pela sociedade de consumo “que ele morreu tentando combater”.

Os depoimentos e entrevistas sobre Ernesto Che Guevara devem ser lidos no contexto do que as Notícias do Dia da página eletrônica do Instituto Humanitas Unisinos – IHU têm publicado. Refletir sobre Ernesto Che Guevara ainda suscita, depois de quarenta anos, muitas reações que vão desde um certo culto idolátrico até a uma execração repugnante como fez, na semana passada, a matéria de capa de uma revista brasileira semanal.

Guy Debord e o seu livro A sociedade do espetáculo será o tema da exposição de Leda Maria Paulani, professora de economia da USP e presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política. Nesta edição ela reflete sobre a atual conjuntura econômica brasileira. E preparando o Simpósio Internacional Uma sociedade pós-humana? As possibilidades e os limites das nanotecnologias, a ser realizado de 26 a 29 de maio de 2008, a Profa. Dra. Solange Binotto Fagan, da UNIFRA de Santa Maria, aponta as novas fronteiras abertas pela revolução tecnológica em curso.

Invenção é a nova seção semanal que iniciamos nesta edição. Dedicada à poesia, ela é inaugurada pela poeta cearense Virna Teixeira.

Informamos que a revista IHU On-Line, excepcionalmente não circulará na próxima semana. Ela voltará a circular normalmente no dia 22 de outubro. Agradecemos a compreensão.

A todas e todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição