Edição 233 | 27 Agosto 2007

Filme da semana: O ultimato Bourne

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O filme comentado nessa edição foi visto por algum/a colega do IHU e está em exibição nos cinemas de Porto Alegre.

Nome: O ultimato Bourne
Nome original: The Bourne ultimatum
Cor filmagem: Colorida
Ano produção: 2007
Gênero: Ação - Suspense
Duração: 111 min
Classificação: livre
Direção: Paul Greengrass
Elenco: Matt Damon, Julia Stiles, Joan Allen 


Sinopse:
Jason Bourne (Matt Damon) está cada vez mais perto de descobrir quem ele realmente é, e quem fez dele uma máquina assassina. Porém, muitas pessoas ligadas ao governo americano não querem que o rapaz descubra a verdade.


Publicamos a seguir o comentário de Alysson Oliveira, publicado na página www.cineweb.com.br 23-08-2007.

Bourne é só a ponta do iceberg”, diz um personagem numa das primeiras cenas deste filme. Como esse iceberg é gigantesco, encobre muitas tramóias do governo norte-americano. Nesse terceiro filme da série, Jason Bourne (Matt Damon) vai fundo para descobrir a sua verdadeira identidade e o que o transformou numa máquina de matar.

O diretor Paul Greengrass (indicado ao Oscar por Vôo United 93) retoma o estilo semidocumental que deu ao segundo filme desta trilogia, A supremacia Bourne (2004) e faz desta uma jornada tensa. A câmera tremida está sempre colada aos personagens, que revelam detalhes importantes para a compreensão da trama.

O ultimato Bourne começa um pouco antes do final de A supremacia..., quando foi dado a Bourne um nome, que não lhe explicava muita coisa – mas já era um começo. A resolução da identidade do matador pode estar nas mãos do jornalista inglês Simon Ross (Paddy Considine), que está fazendo uma série de reportagens sobre o assunto.

Depois de uma perseguição assustadora e da troca de algumas informações com o jornalista, Bourne vai parar na Espanha, onde reencontra Nicky (Julia Stiles). Depois, seguem para Tânger – para onde a CIA também mandou um profissional para eliminar o protagonista.

Enquanto isso, revela-se que a CIA substituiu seu programa Treadstone por outro chamado Blackbriar, comandado por Noah Vosen (David Strathairn), para quem matar parece ser a solução de todos os problemas. Esse novo método coloca-o em guerra contra Pamela Landy (Joan Allen), que pretende manter Jason Bourne vivo.

Toda essa trama de espionagem e mistério é mantida pela direção precisa de Greengrass. Não há diretor melhor na atualidade para fazer filmes de ação – ou melhor, para elevar o patamar de um gênero que se desgastou nos últimos anos. A supremacia Bourne mantém o ritmo veloz durante suas quase duas horas. Ainda assim, o diretor e o trio de roteiristas, Tony Gilroy, Scott Z. Burns e George Nolfi, conseguem desenvolver personagens e ações sem que nada pareça precipitado.

Bourne quer vingar-se das pessoas que mataram sua mulher (Franka Potente, vista aqui apenas em flashback). Tudo o que aprendeu em seu treinamento poderá ser-lhe muito útil agora que caça os assassinos e as pessoas que roubaram a sua identidade. E, à medida que Bourne fica mais próximo de descobrir sua verdadeira identidade, menos ele gosta do que fica sabendo.

Com O ultimato Bourne, a trajetória do personagem fecha-se num círculo perfeito. A resolução não é simples, mas é interessante e plausível. E dá ao homem misterioso que surgiu em A identidade Bourne (2002) o grand finale que ele merece.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição