Edição 212 | 19 Março 2007

O Grande Silêncio

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Faustino Teixeira, professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Univesidade Federal de Juiz de Fora, MG - PPCIR-UFJF -, depois de ter visto várias vezes o filme, escreveu o comentário que publicamos abaixo.

FICHA TÉCNICA:

O Grande Silêncio
Título Original: Die Grosse Stille
Diretor: Philip Gröning
Nacionalidade: França/Suíça/Alemanha, 2005.

O Grande Silêncio (Die Grosse Stille), filme de Philip Gröning, ganhou o prêmio europeu de melhor documentário do ano passado. No dia 23 de março, sexta-feira, às 15h30min, o documentário será exibido e comentado no Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

Faustino Teixeira, professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Univesidade Federal de Juiz de Fora, MG - PPCIR-UFJF -, depois de ter visto várias vezes o filme, escreveu o comentário que publicamos abaixo.

Faustino Teixeira é doutor e pós-doutor em teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma. Ele é autor de uma vasta obra teológica, especialmente no que se refere à teologia do diálogo inter-religioso. Ele é um grande parceiro do IHU. Entre suas obras citamos os livros, por ele organizados, Nas teias da delicadeza. São Paulo: Paulinas, 2006; As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006, organizado com Renata Menezes. Pierre Sanchis fez uma resenha deste livro que foi publicada na revista IHU On-Line, no. 195, 11-09-2006. 

“QUANDO SE AQUIETAM OS LÁBIOS, MIL LÍNGUAS FEREM O CORAÇÃO”
                                                                                                  RÛMÎ

 
Não há como escapar de um grande deleite estético e espiritual ao se defrontar com o excelente filme de Philip Gröning , “O grande silêncio” (Die Große Stille – 2005). Trata-se de uma obra singular, de grande sedução cinematográfica, que foge aos padrões usuais e possibilita a recuperação do significado de um tempo que revela “efeitos especiais interiores”. A idéia da filmagem nasceu em 1984, quando o diretor entrou em contato com os responsáveis da Grande Cartuxa (La Grande Chartreuse) , nos alpes franceses, ao norte de Grenoble, a casa mãe da ordem dos cartuchos, fundada por são Bruno de Colônia (1030-1101), em 1084 (séc. XI).  A resposta à solicitação de filmagem só veio em 1999, ou seja, 15 anos depois da solicitação feita. As condições para a sua realização estavam bem definidas: o diretor deveria permanecer hospedado no eremitério francês, conviver com a comunidade, sem poder fazer recurso a nenhuma iluminação artificial e sem poder contar com técnicos de apoio. O trabalho foi realizado pessoalmente por ele, durante os seis meses em que viveu, como os monges, numa das celas da comunidade. O cineasta recorda que foram tempos difíceis para ele, sobretudo no início, de adaptação à vida de solidão e à alimentação natural. Foram cerca de 300 horas de filmagem, que resultaram num filme de 164 minutos. Relata-se de forma muito rica e fidedigna a vida contemplativa, o ritmo, a repetição e o tempo do “silêncio eloqüente” que marca o cotidiano de 37 monges cartuxos que dedicam sua vida à experiência de amor a Deus. A técnica cinematográfica é inovadora. O diretor recorreu a uma tecnologia de última geração. Toda a filmagem é feita em alta definição, possibilitando uma percepção singular da vida contemplativa em nuances inusitadas. É um “filme de autor”, marcado por grande liberdade, que rompe os rótulos e os efeitos das grandes produções em curso. É um filme pontuado pela lógica da paciência, cujo ritmo é leve, pacato, lento. Há um respeito profundo pela temporalidade dos monges. A câmera cinematográfica não invade a privacidade dos eremitas, mas é acolhida com carinho, já que consegue sintonizar-se com a dinâmica vital de cada participante.

O tempo é o grande protagonista deste belo filme, mas percebido no ritmo dos monges. A opção do diretor é deixar falar o silêncio que habita a Grande Cartuxa, e falar por si mesmo. São densas e longas as tomadas que captam cada detalhe da vida cotidiana dos monges: a expressão dos rostos, o rumor dos passos nos grandes corredores, o vigor da noite em sua “solidão sonora”, o barulho da chuva, a madeira que queima e estala na estufa, os detalhes das frutas na bandeja, do copo com água sobre a mesa, da bacia que balança, da pá que remove a neve; e também a presença dos animais com seus guizos, o balanço da neve, o canto gregoriano e o ritmo dos sinos. E como são belos os toques dos sinos neste filme! E nada é feito com pressa. É como se o diretor buscasse provocar no espectador interrogações substantivas sob a forma como a vida vem sendo levada em nosso tempo, onde a gratuidade escapa por todos os poros. Há uma intenção de expressar não apenas os rumores do silêncio, mas também de educar o olhar para a percepção dos pequenos sinais, dos detalhes que sempre escapam daqueles que vivem sob o domínio da pressa e da busca de êxito. Os detalhes são inúmeros e ricos: o trabalho na cozinha e na cela, o ritmo da alimentação tranqüila, o recolhimento em oração, o monge que alimenta o gato, a alegria e gratuidade na descida sobre a neve. As imagens da natureza também são esplêndidas, como a das árvores que dançam sob o ritmo do vento e do lindo céu que abraça e protege a paisagem. Nada escapa ao olhar atento do diretor, que como um antropólogo do espírito, desvenda paisagens inusitadas e provoca uma sedução que estava adormecida. Como sublinha Olegário González de Cardedal, em belo artigo sobre o filme publicado em fevereiro de 2002, nas Notícias Diárias , “o espectador vai percebendo lentamente que o pano de fundo do filme é justamente o que não se vê e é isso que o alimenta. A sucessão de cenas, rostos, ruídos, cantos e neve é o acorde de uma presença interior que lhe dá conteúdo. O filme é o relato da presença silenciosa e sonora de Deus na vida de alguns homens para quem Ele é tudo, mas que não interfere em nada, de forma que tudo discorre na luz de seu rosto”.

Pontuando a mudança das cenas há belas passagens bíblicas e da tradição que indicam a dinâmica e o sentido da vida contemplativa: uma vida de pessoas que foram seduzidas pelo mistério maior, que estão atentas para vislumbrar a leve brisa que traz o rosto amado. Numa dessas passagens se diz: “Isso é o silêncio: deixar que o Senhor pronuncie em nós uma palavra igual a ele”. A ordem cartuxa é uma das mais tradicionais do ocidente cristão. Trata-se da única ordem monástica que preservou integralmente o ideal do monaquismo, sem nunca ter passado por uma reforma. São monges eremitas que vivem em comunidade. Os três motes que movem a vida comunitária são: silêncio, solidão e simplicidade. A ordem é também conhecida por sua sobriedade. Num dos passos das meditações de Guigo I, o prior que fixou por escrito a regra dos cartuxos no séc. XII, se diz que o monge foi criado para “ver, conhecer, amar, admirar e louvar o Senhor”, e nada mais do que isto. E de fato, os monges “vêem o invisível em cada prega de seus hábitos”. No único momento do filme em que há a presença da palavra, o velho monge cego fala de sua tranqüilidade diante da morte e sinaliza que “quanto mais se avizinha de Deus mais se torna feliz”.

Ao longo do filme, o diretor Philip Gröning, fixa sua câmara sobre a chama da vela, acompanha o ritmo e o movimento de suas cores que nunca se fixam, mas que estão sempre abertas pelo impulso da brisa e do vento. É esta mesma chama que concentra a atenção dos monges nas noites dos longos e lentos ofícios das Vigílias, quando transbordam a dinâmica da solidão da cela monacal e partilham a experiência comunitária. O diretor demora-se nesta tomada de cena, que marca a presença do pequeno e pálido ponto de luz ao fundo que regula e concentra a atenção dos monges na solidão da capela escurecida. É um momento sublime e forte do filme, que faz recordar a reflexão de Thomas Merton , sobre o “ponto virgem” (point-vierge), esse “pontinho de nada”, de “absoluta pobreza” e gratuidade, que esta “no centro de todos os demais amores” e que revela uma “inexprimível inocência”, indicando um  horizonte que está para além das palavras. Ali concentra-se o “vasto e aberto segredo” do que é gratuito e que passa desapercebido para o desatento: o paraíso da simplicidade, do esquecimento de si, da liberdade e da paz.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição