Edição 514 | 30 Outubro 2017

Destaques On-Line

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Confira algumas entrevistas publicadas no sítio do Instituto Humaniitas Unisinos - IHU

“Somos uma sociedade amedrontada”. O medo e a violência, dois problemas dos novos tempos
“Vivemos à procura de salvadores da pátria e nunca colocamos em prática um projeto de interdição moral e política da violência letal no Brasil.”

Renato Sérgio de Lima é doutor e mestre em Sociologia e graduado em Ciências Sociais pela USP. Professor do Departamento de Gestão Pública da Fundação Getúlio Vargas – FGV-EAESP.
*********

A tragédia do Brasil hoje: só Lula e o neopentecostalismo falam à grande massa dos pobres
“Lula e as alternativas à sua direita certamente disputarão o apoio de correntes do neopentecostalismo, e com algo terão de retribuir se tiverem êxito. A onda reacionária entre nós é político-religiosa. Este para mim é o nome do perigo aqui e agora.”

Adriano Pilatti é graduado em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, mestre em Ciências Jurídicas pela PUC-Rio e doutor em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – Iuperj.

*********

A reversão da crise requer uma exigência democrática sem perda do impulso anti-capitalista
“As classes dominantes brasileiras perderam o resto de vergonha que ainda tinham.”

Ruy Fausto é graduado em Filosofia e em Direito pela Universidade de São Paulo – USP e doutor em Filosofia pela Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne.
*********

Não existe ‘outro mundo para se construir’. Existem outras relações e modos de vida a se construir nesse mesmo mundo
Só as lutas, o movimento, a experimentação é que vão nos restituir a potência e nos fazer escapar desse lugar de espectadores ou de comentadores da conjuntura.

Alana Moraes é graduada em Antropologia e mestra em Sociologia e Antropologia pela pela UFRJ, onde atualmente cursa doutorado em Antropologia Social. É feminista e integrante do coletivo Urucum pesquisa-luta.

*********

"Não tem espaço para reforma dentro da ordem, porque as classes dominantes brasileiras não toleram qualquer mudança"
“Será que o desenvolvimento das forças produtivas deve ser uma pauta e um norte para esquerda?”

Fabio Luis Barbosa dos Santos é doutor em História Econômica pela USP, professor do curso de Relações Internacionais da Unifesp e pesquisador colaborador do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da USP.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição