Edição 500 | 13 Março 2017

Destaques On-Line

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

As entrevistas completas estão disponíveis na página do IHU

A combinação explosiva do judiciário e a mídia, a poderosa energia da sociedade e o grande déficit de pensamento
“É preciso sair do plano geral para o plano da política, para o plano da razão, para o plano da análise, porque a presidente Dilma caiu sem que isso significasse um levante da população em defesa dela. Ela caiu por fraqueza, por vulnerabilidades, por erros, por equívocos. Quais foram esses erros e equívocos?”

Luiz Werneck Vianna é professor-pesquisador na Pontifícia Universidade Católica - PUC-Rio.
**

Em um ano, 5% da população sofreu mobilidade descendente
“O que vimos na década de 1990? Aumento da miséria, mais marginalidade, criminalidade, pois o desemprego desestrutura as famílias. Então, pode haver um aumento da miséria e da pobreza, porque as pessoas não têm perspectiva, porque não têm como se virar. O que vai acontecer? Ninguém sabe.”

Waldir José de Quadros é professor associado do Instituto de Economia da Unicamp.
**

“Nenhum suicídio mais” quer dizer “não nos processem mais”
“Embora hoje tenha se adotado o nome de Comando Barneix, trata-se dos mesmos militares que se reúnem num grupo chamado Tenientes de Artigas Eles foram responsáveis pelo golpe (...) e agora fazem parte desse grupo que reage às condenações e processos.”

Jair Krischke é ativista dos direitos humanos no Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai.
**

As prefeituras precisam oferecer condições para os catadores trabalharem nas cooperativas
“Nossa sugestão era de que a lei definisse que os carrinhos fossem substituídos por outro tipo de tecnologia para que os catadores pudessem continuar o seu trabalho e inclusive pudessem ser contratados pelas prefeituras para realizarem esse serviço.”

Alex Cardoso é membro do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – MNCR.
**

Saneamento precisa ser inserido na agenda política do país
“A Organização Mundial da Saúde preconiza em estudos recentes que cada real investido em saneamento reduz quatro reais em despesas na saúde. (...) Nas cidades onde há saneamento mais avançado, ocorrem muito menos faltas ao trabalho decorrentes de doenças.”

Roberval Tavares de Souza, presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – Abes.
**

Degradação da natureza e agravamento da pobreza são frutos do sistema de produção, de consumo e de especulação que impera
“Na maior parte das vezes, a visão eclesial esteve centrada no ser humano, no seu direito a um ambiente saudável. Tem sido difícil superar o antropocentrismo, justificado até mesmo por leituras do Gênesis.”

Ivo Poletto é filósofo e cientista social. Trabalha atualmente como assessor educacional no Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição