Edição 479 | 21 Dezembro 2015

O sacrifício e a violência na contemporaneidade. Um debate à luz da obra de René Girard

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A relação entre violência e o sagrado, mediado pelo sacrifício, é o tema da presente edição da revista IHU On-Line. O tema é debatido à luz da obra de René Girard, recentemente falecido.

Contribuem para esta edição Roberto Solarte, doutor em Filosofia e professor na Pontifícia Universidade Javeriana de Bogotá, Colômbia, para quem o mundo afastado de Deus não deixou de ser religioso. Ao contrário, pontua, as duas grandes instituições contemporâneas, o Estado de direito e o livre mercado, têm origens sacrificiais. 

Xabier Etxeberria Mauleon, professor emérito da Universidad de Deusto, Espanha e doutor em Filosofia pela mesma universidade, analisa o nazismo e o atual jihadismo como expressões sacrificiais a partir das filosofias de Kant, Kierkegaard, Lévinas e Girard. 

Dominique Janthial, teólogo e professor no Instituto de Estudos Teológicos (IET) em Bruxelas, explica os conflitos entre Ocidente e Oriente a partir da teoria mimética de Girard e do espírito competidor intrínseco ao ser humano. 

Stéphane Vinolo, professor de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Equador, distingue entre o sacrifício de Cristo, entendido como sacrifício em si, e o “fenômeno kamikaze” dos atos terroristas, que configuram um “travestimento do sacrifício crístico”. 

Michael Kirwan, professor de Teologia no Heythrop College, ressalta a trajetória intelectual de Girard e sua busca incessante pelo esclarecimento sobre a condição humana em um mundo que irradia desastre triunfal. 

João Cezar de Castro Rocha, professor de Literatura Comparada da UERJ, aborda a questão da vingança e do ressentimento como maneiras humanas de formalizar a violência potencial do desejo mimético. 

William Johnsen, professor de inglês na Michigan State University, comenta os principais diálogos que Girard manteve com pensadores clássicos e modernos para refletir sobre o comportamento humano. 

Publicamos ainda um artigo de Davide Rostan, pastor italiano, que examina o modelo trinitário de Girard e as suas consequências a partir do ponto de vista ético.  

Complementam ainda esta edição uma entrevista sobre o Sermão da Montanha, com o exegeta francês Élian Cuvillier; e duas entrevistas sobre a relação entre teologia e literatura, com Elena Vássina, professora da Universidade de São Paulo - USP, e com Karl-Josef Kuschel, teólogo e professor da Faculdade de Teologia Católica da Universidade de Tübingen.

Claudio Monge, teólogo italiano e Frade da Ordem dos Pregadores reflete sobre a relação entre o Oriente e o Ocidente. Homero Santiago, professor da Universidade de São Paulo – USP, aborda o tema da Multidão e da democracia a partir da filosofia espinosana, e Ermanno Allegri descreve a mídia como alternativa para a transformação da sociedade. 

 A revista IHU On-Line voltará a circular em março de 2016.

A todas e a todos uma boa leitura e os melhores votos de um Feliz Natal e Ano Novo!

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição