Edição 475 | 19 Outubro 2015

A vida, o trabalho, a linguagem. Biopolítica e biocapitalismo

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

O Cadernos IHU Ideias em sua 228ª edição publica o artigo de Sandro Chignola, doutor em História do Pensamento Político, com pós-doutorado na École des Haute Études en Sciences Sociales e na École Normale Supérieure de Lettres et Scinecs Humaines. Integrante do Conselho Editorial de diversas revistas, incluindo: Filosofia Política, Contributions to the History of Concepts, Politica & Società, Materiali foucaultiani, Res Publica: Revista de Filosofia Política. Atualmente é professor de Filosofia Política na Universidade de Pádua, na Itália.
A vida, o trabalho, a linguagem. Biopolítica e biocapitalismo

O artigo traz o resgate da memória de como o termo biopolítica foi cunhado e utilizado, muito antes de Foucault, fazendo referência a uma implementação da ciência política. De acordo com o autor, o trabalho busca apresentar uma relação contextual dentro da qual os saberes e poderes evoluem se sustentando mutuamente e se apoiam sobre a relevância dos processos que se combinam para estabelecer como segmentos para a valorização do capital e para as atividades das empresas. “O que me proponho a fazer nesta ocasião é especialmente mapear os processos dentro dos quais os saberes e os poderes agem uns sobre os outros em um processo de coprodução circular sobredeterminada pela axiomática do capital e por algumas formas contemporâneas de acumulação”, explica.

Chignola esclarece que neste trabalho não se refere a uma transformação do capital, ou a uma fase particular que marcaria uma “época”, mas sim às relações encadeadas em um cenário mais amplo. “Devemos nos abrir para o mundo e não nos colocarmos dentro do cânone filosófico”, defende.

O autor ressalta que o mapa conceitual que constrói no artigo não tem a pretensão de ter um caráter definitivo nem de objetividade. A ideia é apresentar uma sistematização e discussão de problemas, tendências e linhas de evolução sobre o tema. “Tento desvendar os fios de uma meada. Consciente de que é impossível encontrar a pista; o elemento que permite esclarecer o problema”, ressalta.

Confira a edição digital do artigo. 

Esta e outras edições dos Cadernos IHU ideias têm suas versões digitais disponíveis e também podem ser adquiridas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos - IHU ou solicitadas pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Informações pelo telefone 55 (51) 3590 8213.■

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição