Edição 456 | 20 Outubro 2014

Destaques On-Line

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Entrevistas especiais feitas pela IHU On-Line no período de 13-10-2014 a 17-10-2014, disponíveis nas Entrevistas do Dia do sítio do IHU (www.ihu.unisinos.br).

A racionalidade taylorista e sua atualização no século XXI

Entrevista com Ludmila Abílio, cientista social e autora do livro Sem maquiagem: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos

Publicada no dia 16-10-2014

A flexibilização e a precarização do trabalho indicam a “atualização da racionalidade taylorista e o seu deslocamento para o setor de serviços”, diz Ludmila Abílio, autora do livro Sem maquiagem: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos, em entrevista à IHU On-Line. Crítica à teoria do trabalho imaterial do sociólogo francês André Gorz, Ludmila Abílio apresenta exemplos para demonstrar que o trabalho continua assentado numa lógica taylorista, na qual a “subjetividade” do trabalhador “está sendo mobilizada permanentemente”, ou seja, “é uma racionalidade que hoje se realiza pondo a subjetividade do trabalhador a serviço da produção”. O nicho de pesquisa da socióloga é o trabalho desenvolvido pelas revendedoras de cosméticos da Natura, mas sua teoria também se aplica a outras atividades, como o trabalho de operadoras de telemarketing, de motoboys e funcionários de fast foods. 

 

A essência da técnica não é nada de técnico

Entrevista com Renato Janine Ribeiro, doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo - USP

Publicada no dia 14-10-2014

A partir do pensamento heideggeriano, Renato Janine Ribeiro propõe reavaliar a contribuição das ciências humanas nas universidades e na sociedade. Ao passo que cresce o interesse pelo desenvolvimento das ciências exatas e das tecnologias, as Humanidades têm de “promover a discussão mais aprofundada sobre uma sociedade que acredita tanto assim na tecnologia, a ponto de esquecer os fins em favor dos meios”. Na entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail, Ribeiro afirma que a discussão dos valores é algo que a filosofia, como as várias psicologias e a antropologia, devem efetuar. “Ou seja, nosso papel é absolutamente central neste mundo que dá tanta importância aos aportes tecnológicos”, assevera.

 

Eleições 2014: “uma escolha maluca a fazer”

Entrevista com Cândido Grzybowski, diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas - Ibase

Publicada no dia 13-10-2014

Na interpretação de Cândido Grzybowski, as urnas também demonstraram a reação da “classe média”, que está “raivosa” com o PT. “Ocorre que tem uma classe média à custa da qual se fez política social neste Brasil; não foi à custa do dinheiro dos ricos. O dinheiro que saiu para as políticas sociais do PT não foi a renda dos ricos, mas exatamente mexendo na classe média, e essa está raivosa agora”. Contudo, salienta, “a classe média não é a rua; a rua são os batalhadores que chegaram agora, que começam a ter voz”. Nesta entrevista à IHU On-Line, Grzybowski também destaca a falta de debate entre os políticos acerca da situação dos indígenas, dos atingidos pela mineração, pelo agronegócio. “Queria saber quantos indígenas se sentem bem com o resultado das eleições. Ninguém falava deles, alguém falou deles?".

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição