Edição 383 | 05 Dezembro 2011

IHU Repórter

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Thamiris Magalhães

“O teu dever é salvar o teu sonho”. Com esta frase do pintor e escultor Modigliani, o professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unisinos Honores Mambrini inicia sua entrevista concedida pessoalmente à IHU On-Line. Trabalhando há 35 anos na Universidade, Mambrini confessa ser muito exigente, beirando ao perfeccionismo, o que, para ele, pode muitas vezes ser ruim. O colecionador de moedas antigas já visitou quase 50 países, mas pretende conhecer tantos outros ainda. “Atualmente, tenho planos de expandir mais minhas viagens”, afirma. Conheça um pouco mais de sua história.

Autodefinição – Muito exigente, ponderado e bastante crítico.

Origem – Nasci no dia 05 de julho de 1949. Moro em Porto Alegre há 30 anos. Meus pais são falecidos e moraram sempre em Caxias do Sul-RS. Tinha cinco irmãs, sendo que uma já faleceu. Morei em Caxias até vir para São Leopoldo estudar.

Formação – Ingressei no curso de Arquitetura aqui na Unisinos na primeira turma. Formei-me no primeiro semestre de 1976 e imediatamente após a formatura me convidaram para lecionar aqui, provavelmente porque havia me destacado no curso. Tinha sido monitor nos últimos seis semestres antes da conclusão do curso. Foi aí que começou minha carreira no magistério. Estou há 35 anos na Universidade como professor e mais cinco como aluno. Portanto, são 40 anos de Unisinos. Hoje, leciono para a graduação e para o curso de pós-graduação em Arquitetura Comercial, na área de Conforto Ambiental. Na graduação, ensino as disciplinas de “Conforto Ambiental I e II”. E na pós-graduação, nível de especialização, trabalho com a disciplina de “Condicionamento Luminoso Natural”. Tenho orientado, sistematicamente, alunos em Trabalho de Conclusão de Curso.

Frase – “O teu dever é salvar o teu sonho”. Acho linda essa frase do pintor e escultor Modigliani. É aquilo que penso: cada um tem que ter um sonho, uma meta, um objetivo, senão a vida passa sem muito sentido.

Academia – Logo depois que me formei, fiz um curso de pós-graduação, em nível de especialização aqui na Unisinos, em Metodologia do Ensino Superior. Depois, fiz o curso de especialização em Arquitetura Habitacional, na UFRGS. Um pouco mais tarde, fiz o mestrado, também na UFRGS, no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, voltado para a área de Conforto Ambiental. Atualmente trabalho na Unisinos e como arquiteto na Secretaria do Patrimônio Histórico da UFRGS, onde estou desde 1985. Na Unisinos, fui também Coordenador do Curso de Arquitetura e Urbanismo por um período de 10 anos.

Lazer – Curto muito coisas vinculadas à arte e cultura. Gosto muito de música, cinema, teatro e nas férias viajo bastante. Faz 30 anos, mais ou menos, que em todas as férias, em janeiro e julho, viajo.

Coleção – Gosto de colecionar moedas de outros países, comemorativas, principalmente de prata. São coisas raras. Tenho uma coleção bem significativa. Também tenho um acervo bem considerável de CDs de música, que acredito que passe de três mil CDs, que inclui trilhas de filmes, clássicos, internacionais e MPB.

Lembranças – Já conheço quase 50 países, tendo retornado em alguns deles várias vezes. Já fui onze vezes à França; à Itália, à Alemanha e aos Estados Unidos quatro, e por aí vai. Em minhas viagens, tenho vivenciado coisas muito interessantes. Em minha última viagem, estive na Polônia e Lituânia, dois países lindíssimos. Em janeiro, estive em Cingapura, Tailândia e Malásia. A cada semestre, escolho um roteiro diferente e está sendo bem legal. Acredito que em cada lugar sempre tem alguma coisa que marca bastante. A arquitetura, por exemplo, é muito marcante. Arquitetura e urbanismo estão vinculados diretamente na estruturação das cidades. Então, é muito interessante porque conseguimos, além de turismo, lazer, fazer uma complementação na nossa formação. E em cada viagem há realmente uma adição de conhecimentos e vivências.

Arquitetura – Quando viajo, acabo visitando obras importantes de grandes arquitetos e normalmente trago essas obras como referências para minhas aulas. É muito diferente, por exemplo, mostrar em sala de aula uma imagem de uma obra retirada de uma revista ou livro, de outra com um espaço vivenciado por nós. Sempre trago essas experiências de minhas viagens e associo ao conteúdo das minhas disciplinas. De alguma forma, o aluno é sempre beneficiado com isso.

Autor – Gosto muito do George Orwell. 1984 é um bom livro; A Revolução dos bichos também o é e continua muito atual ainda nos dias de hoje. Creio que Orwell é um bom autor.

Filme – Prefiro os mais intimistas. Um filme que acho bom e que me marcou, da década de 1970, foi o Anônimo Veneziano, de Enrico Maria Salerno, interpretado por Florinda Bolkan e Tony Musante. Além de ser um bom filme, também tem uma trilha sonora excelente.

Política no Brasil – Estou um tanto desiludido com a política brasileira. Há muita retórica, mas as coisas continuam da mesma forma. Não estou nada satisfeito com nossos políticos.

Religião – Católica, mas acredito na essência da espiritualidade, independentemente de qualquer religião. Para mim, o mais importante não é a religião em si, mas a espiritualidade. E isso eu tento vivenciar no meu dia a dia. Acredito que temos que ter valores. Eles são fundamentais, independente de religião. E esses valores eu tento passar para meus alunos em sala de aula, para meus amigos e colegas, no cotidiano. Creio que isso é muito importante. Acredito que existe algo muito além da matéria.

Sonho – Acredito que nós sempre temos sonhos, até porque a ausência deles torna a vida sem sentido. E os sonhos nos renovam. Atualmente tenho planos de expandir mais minhas viagens.

Unisinos – É a minha segunda casa. A Unisinos é muito especial para mim. Fiz toda a minha formação basicamente na Universidade e meu emprego mais importante foi também aqui. Tenho um carinho muito especial pela Unisinos. Gosto de trabalhar aqui. Trata-se de uma Universidade que possui metas bastante claras e objetivas.

IHU – É um trabalho muito bom. Tenho acompanhado sempre. Na matéria de capa, em que parte da revista é sobre um determinado assunto, o trabalho é de uma preciosidade incrível, porque são vários pensadores que expõem seus pontos de vista e com enfoques distintos. Ter um panorama diversificado sobre um mesmo assunto é muito interessante.

Música –
Gosto muito de Bossa Nova, MPB de boa qualidade, principalmente de alguns artistas como: Chico Buarque, Maria Bethânia, Caetano Veloso e alguns já falecidos, mas que continuam presentes, como Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

Escultura – Fiz um pouco de escultura, depois parei por falta de tempo. Mas é uma coisa que me dá muito prazer e eu curto demais uma bela escultura. É bom ter coisas que se possa curtir e admirar. 

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição