Edição 279 | 27 Outubro 2008

IHU Repórter - Jackson Junges

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Bruna Quadros

Na última semana, quem visitou a redação da revista IHU On-Line foi o motorista Jackson Junges. Há três anos trabalhando na Unisinos, atendendo a todos os setores da universidade, ele afirma que, embora a função seja a mesma, o conhecimento muda a cada dia. Ao contar a sua trajetória de vida, ele revelou uma grande paixão: o futebol. Torcedor gremista, ele sonha em ir para os gramados não como jogador, mas como árbitro. É por este motivo que ele cursa Educação Física, na Unisinos. Acompanhe, a seguir, a história de Jackson, que acredita que o Brasil precisa de um “sangue novo” para se transformar:

 

Origens – Nasci em São Leopoldo, no bairro Jardim América, onde moro até hoje. Meus pais eram do município de Pareci Novo. Minha mãe era cozinheira e meu pai, marceneiro. Tenho uma irmã dois anos mais velha do que eu, que é professora.

Infância – Minha maior diversão era o futebol, estava na escolinha de futsal do Sesi, mas também jogava bolinha de gude, andava de regata e carrinho de lomba.

Valores – Meus pais eram batalhadores, aprendi a ser honesto e perseverante para conquistar os meus objetivos.

Estudos – Sempre fui bom aluno, principalmente em Matemática. Estudei Educação Física na Unisinos, até o 3º semestre do curso. Escolhi Educação Física, porque pretendo ser juiz de futebol. Atualmente, não estou estudando.

Futebol - O gosto por este esporte surgiu na infância e, hoje, sou fanático e torço pelo Grêmio Futebol Porto-Alegrense. Jogo com os colegas de trabalho, depois do expediente. Nos sábados, jogo no mesmo time há cinco anos.

Trabalho – Meu primeiro emprego foi na empresa de armamentos Amadeo Rossi, em São Leopoldo. Antes de trabalhar na Unisinos, fui agente funerário. Muita gente achava estranho, mas eu gostava.

Unisinos - Sou motorista da Unisinos há três anos, atendendo a todos os setores. O coleguismo é muito grande, gosto muito de trabalhar na instituição. Não é um serviço onde se faz sempre a mesma coisa. Cada saída é uma experiência diferente. Cada pedido é um novo conhecimento. Quando entrei na Unisinos, a universidade estava passando por mudanças no quadro funcional. Agora, acho que a instituição está voltando a ser o que era antes. Está no caminho certo.

Família – Sou casado há 13 anos e tenho duas filhas: Surian, 8 anos, e Sasha, 10. Sempre pensei em ser pai e ter a minha família. Tudo o que faço é pensando neles. Quero que as minhas filhas tenham a mesma vida que eu tive. Eu e minha esposa, Viviane, estudamos juntos no Ensino Médio. Começamos a namorar deixando recadinhos nas classes e nos conhecemos em uma aula de Educação Física.

Lazer – Gosto de ficar em casa com as minhas filhas e de acompanhá-las nas suas atividades, como capoeira e aulas de teatro. Além disso, jogo futebol todos os finais de semana.

Filmes – Gosto muito de filmes de terror e suspense. O silêncio dos inocentes, de Jonathan Demme, foi um dos que mais gostei de ter assistido.

Sonho – Um deles é me formar e conseguir ser um juiz de futebol. Os outros são terminar de construir a minha casa e dar uma vida boa para as minhas filhas.

Política brasileira – Sou petista e voto sempre no partido. Mas não sou de influenciar ninguém. Precisa haver uma renovação para as coisas melhorarem. O Lula está fazendo um bom governo, dentro do possível, mas um “sangue novo” iria modificar o cenário nacional da política.

Instituto Humanitas Unisinos – Leio a revista e conheço os eventos realizados. É um trabalho bastante educativo.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição