Edição 279 | 27 Outubro 2008

IHU e Fundação Ética Mundial: o desafio conjunto de responder à busca pela paz

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Moisés Sbardelotto

Neste ano, a comemoração dos sete anos do Instituto Humanitas Unisinos – IHU - será marcada, especialmente, pela inauguração oficial do primeiro Escritório da Fundação Ética Mundial no Brasil, no próximo dia 29, no IHU. O projeto, em parceria com a Fundação Ética Mundial internacional (Weltethos Stiftung, no alemão) e o Centro de Cooperação Internacional Brasil-Alemanha da Universidade Federal do Paraná (CCIBA-UFPR), desembarca no Brasil para colaborar com a difusão da idéia de uma “Ética Mundial”.

Para saudar o novo escritório, o presidente da Fundação, o teólogo suíço Hans Küng, um dos mais renomados professores universitários da cena intelectual alemã, enviou uma vídeo-mensagem gravada especialmente para o evento, que será transmitida aos convidados na noite da quarta-feira, no IHU. Küng esteve no Brasil em outubro de 2007, quando a Unisinos, sob a coordenação do IHU, em parceria com a Universidade Federal do Paraná, organizou o “Ciclo de Conferências Ciência e Fé - Por uma Ética Mundial”. A partir dessa visita, a idéia de se abrir um escritório da Fundação no Brasil pôde se concretizar no câmpus da Unisinos.

O escritório da Fundação de Ética Mundial no Brasil se encontra em profunda relação com o texto-base “Gênese, missão e rotas” do IHU. Conforme afirma o documento, o Instituto assume a ética como um dos grandes eixos orientadores de sua reflexão e ação. “Sabendo que o mundo ético não é uma dádiva da natureza, mas uma dura conquista da civilização – diz o texto –, o Instituto quer participar proativamente, por meio de todas as suas atividades em uma tarefa capaz de gerar uma nova arte de viver e uma nova produção de si para contribuir para a transformação social”.

Dentro dessa perspectiva, o novo escritório da Fundação terá como um de seus objetivos principais promover e difundir a pesquisa científico-religiosa dos fundamentos das religiões. Isso será possível por meio de publicações científicas voltadas ao entendimento intercultural, inter-religioso e interconfessional, além de atividades formativas interculturais e inter-religiosas e por meio do encontro intercultural e inter-religioso, ações que o IHU já vem realizando desde a sua fundação e que agora recebem esse importante apoio internacional.

A Fundação Ética Mundial nasceu em 1995, a partir da obra Projeto de Ética Mundial, de Hans Küng. No livro, Küng aprofunda o debate ético, propondo em seu projeto de Ética Mundial, três grandes pilares: não há paz entre as nações sem paz entre as religiões; não há paz entre as religiões sem diálogo entre as religiões; e não há diálogo entre as religiões sem pesquisa sobre os fundamentos das religiões.

À época, Karl Konrad, conde de Groeben, na Alemanha, tomou contato com a obra e decidiu apoiar a difusão da idéia de uma “Ética Mundial”. Com sua ajuda, foi possível garantir o trabalho de uma equipe de pesquisa, dirigida por Hans Küng, a serviço de uma Ética Universal.

Desde sua criação, a Fundação estendeu suas atividades aos mais diversos âmbitos da sociedade, como a academia, a economia e a política, e despertou grande interesse, inclusive na ONU. A base programática do trabalho da Fundação é a “Declaração sobre Ética Universal”, assinada pelos membros do Parlamento das Religiões do Mundo, em 1993, em Chicago, Estados Unidos. A assinatura do documento por delegados e delegadas de todas as religiões e de todos os continentes do mundo foi uma das grandes conquistas da Fundação.

Por meio da declaração, pela primeira vez na história, representantes de todas as religiões alcançaram um acordo sobre princípios para uma ética global e se comprometeram com quatro diretrizes irrevogáveis, que se concretizam no compromisso com uma cultura: da não-violência e do respeito à vida; da solidariedade e de uma ordem econômica justa; da tolerância e de uma vida de autenticidade; e da igualdade de direitos e do companheirismo entre homens e mulheres.

A redação da carta, elaborada por Hans Küng e pela equipe do Instituto de Pesquisa Ecumênica da Universidade de Tübingen, na Alemanha, deu-se com base em um processo inter-religioso de pesquisa e consulta.

Ao longo do tempo, novos escritórios da Fundação foram sendo inaugurados: na Suíça, em 1996; na República Tcheca, em 1999; na Holanda, no ano 2000; na Áustria, em 2001; no México e na Colômbia, em 2006. E agora em 2008, no Brasil.

Mais informações pelo sítio www.unisinos.br/ihu/eticamundial ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Últimas edições

  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição
  • Edição 548

    Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

    Ver edição