Edição 263 | 24 Junho 2008

Yeda Swirski de Souza

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

Na edição desta semana, contamos a história de vida de Yeda Swirski de Souza. Professora no Programa de Pós-Graduação em Administração da Unisinos, a porto-alegrense, filha de imigrantes da Polônia, conta como uniu a Psicologia e a Administração para se dedicar à área do comportamento organizacional. Acompanhe, a seguir, a trajetória da mãe de Marco e Marianne, que sonha em escrever um livro e morar fora do Brasil para um pós-doutorado.

Origens e infância – Nasci em Porto Alegre e tenho dois irmãos mais velhos. Lamentavelmente, minha irmã não está mais entre nós, a perdemos muito cedo. Meu irmão também se dedicou à vida acadêmica e foi alguém que me influenciou. Meus pais eram imigrantes. Vieram da Polônia depois da guerra, em 1947. Havia alguns familiares aqui no Brasil que os resgataram e, por essa razão, vieram a Porto Alegre. Minha infância foi urbana, sou uma criança de apartamento. Mas foi bacana, alegre, com convívio familiar muito intenso.

Formação – Estudei o primário, o ginásio e o científico no Colégio Israelita de Porto Alegre. Logo que terminei esta etapa, prestei vestibular para Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e ingressei no curso. Concluindo a graduação, dediquei-me à formação clínica e por anos me envolvi com a clínica e a formação psicanalítica. Eu já me aproximava dos 30 anos, quando apaixonei pela Administração. Foi uma segunda carreira, mas que me toma de forma muito intensa até hoje. Ingressei no mestrado em Administração, também na UFRGS. Pela minha formação anterior, me senti bastante convidada a atuar na área de comportamento organizacional, onde permaneço até hoje. E o doutorado em Psicologia foi feito na PUCRS,  onde também pois trabalhei por um período.

Trajetória profissional – Iniciei minha atividade profissional como psicóloga clínica e, nesse período, dediquei-me muito à atividade institucional e à psicanálise. Depois que concluí o mestrado, passei a ministrar módulos de cursos de especialização aqui na Unisinos e na PUCRS. Colaborei por um período maior com as atividades que a PUCRS desenvolvia com empresas, sobretudo com os programas de educação para a qualidade. Após esse período, já tendo ingressado no doutorado, fiquei me dedicando a cursos curtos e consultorias a empresas. Tão logo eu concluí o doutorado, a Unisinos me convidou para integrar a equipe do PPG em Administração e isso já faz quase nove anos. Desde então, a Unisinos toma meu tempo de trabalho de forma total e intensa.

Comportamento organizacional – A Administração integra o processo de desenvolver uma atividade que produza resultados e esse desenvolvimento requer a organização de pessoas para que se conquistem esses resultados. Quando se fala em “comportamento organizacional”, se procura entender quais elementos estão em jogo quando pessoas se reúnem para produzir resultados. Nessa área, se estudam alguns aspectos que dizem respeito aos coletivos, se estudam as relações de poder, a cultura das organizações, a aprendizagem individual e em grupo etc. 

Família e filhos – Casei nos anos 1980, mas já descasei. Tenho dois filhos. O mais velho tem 22 anos, se chama Marco e estuda Comunicação na ESPM. A mais nova, Marianne, tem 19 anos e é aluna de Administração na Unisinos. Eu não saberia viver sem meus filhos. Ter filhos foi algo muito importante. Eu quis muito construir uma família e sinto alegria por ter realizado um dos meus sonhos de vida. Adoraria que um dia viessem netinhos.

Autor – Marcela Serrano.

Livro – O nome da Rosa, de Umberto Eco.

Filme – Não apenas um filme, mas um diretor: Bernardo Bertolucci.

Horas livres – Jogar tênis.

Um sonho – Escrever um livro sobre alguns temas específicos da minha área. Já tenho alguns manuscritos de cabeceira à espera. Outro sonho é residir um período fora do país para aperfeiçoar a formação. E talvez me dedicar a alguma atividade social.   

Política – Temos hoje uma fragilidade muito grande no que se refere à atitude. Há uma falta de transparência na vida política, de clareza de propósitos e de compromisso entre o representante e o representado. Meu olhar para a política, hoje, é cético e preocupado. Independente do partido político, parece que uma certa atitude frágil se generalizou.  

Unisinos – Uma universidade arrojada, uma aposta de muita coragem, que tem produzido resultados surpreendentes. A Unisinos é muito jovem e em muito pouco tempo fez muito e segue fazendo. Ela sofre percalços com esse desenvolvimento rápido e tem altos e baixos, no que se refere à sua sustentabilidade. Mas tende a crescer em função de seu projeto arrojado.

Instituto Humanitas Unisinos – Apresenta uma atividade que não se resume à Unisinos, ou seja, corresponde a um trabalho cultural e social que transcende a universidade. Tem um trabalho importante de difusão de idéias, de valorização de alguns temas, de conhecimento e de alguns valores.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição