Edição 247 | 10 Dezembro 2007

Frases da Semana

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Ao longo da semana, o sítio do IHU publica as Frases do Dia. Eis aqui uma síntese delas.

L., 15 anos

 “A pergunta que eu me faço é: por que ela (L., 15 anos) foi presa antes de ser julgada e condenada?” - Louise Arbour, alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos – O Estado de S. Paulo, 04-12-2007.


Metamorfose ambulante

“O ser humano não tem de ter medo de ser uma eterna metamorfose ambulante, sempre tentando mudar, inovar” – Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República – O Estado de S. Paulo, 06-12-2007.

“Quem diria que as palavras de Raul Seixas serviriam para legitimar algumas das coisas que ele mais abominava. Coitado, virou camiseta de Che Guevara. O magro abusado não merecia esse abuso” - Nelson Motta, jornalista – Folha de S. Paulo, 07-12-2007.


Oposição

“Precisei chegar à Presidência da República para saber que é muito mais fácil ser oposição. Quando é oposição, você acha, você pensa, você acredita. Quando chega no governo, ou você faz, ou não faz, ou executa, ou não executa” - Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República – Valor, 06-12-2007.


Trair é cafona

 “Sempre preferi trocar de marido. Trair é cafona, coisa desses caras de 1900 e bolinha, que têm uma mulher e desfilam com outra na frente dos outros” -  Nesa César , designer de interiores – Folha de S. Paulo, 07-12-2007.


Ele sabe...

“A Itaúsa começou sua vida na indústria, sempre gostei de indústria. Tanto que temos a Itautec, a Duratex, a Deca e a Elekeiroz. No entanto, ao longo dos anos, ante a instabilidade da economia, a indústria financeira se tornou mais vantajosa. E ainda o é” – Olavo Setúbal, dono do grupo Grupo Itaúsa, respondendo a uma pergunta sobre a concentração de investimentos da holding da família Setúbal no sistema financeiro, algo como 90% - O Estado de S. Paulo, 07-12-2007.


Megafone e cochichos

“Quando um depoente fez declaração ruim para Júlio Lancelotti, o jornal (Folha de S. Paulo) noticiou com megafone; quando outro fez uma boa, informou-se com cochichos” – Mário Magalhães, ombudsman – Folha de S. Paulo, 9-12-2007.


Terceiro mandato

“Eu sou (favorável), porque o governo dele (Lula)  tem se mostrado a favor do povo, contra a miséria, a violência e, principalmente, contra o intervencionismo norte-americano neste país” – Oscar Niemeyer, arquiteto, defendendo a reeleição para um terceiro mandato de Lula – Folha de S. Paulo, 9-12-2007.


Simon

“Nesse momento, nada melhor do que um ícone do Senado como Pedro Simon. Acho que, se o PMDB o lançasse, ele seria escolhido quase por unanimidade. E seria um impacto favorável muito grande, uma resposta à sociedade: ‘Agora, o Senado vai mudar mesmo’. O Sarney não pacifica a Casa. Sua volta é o retorno do Renan à presidência, ele tramou tudo nos bastidores para a absolvição do senador. Meu voto o Sarney não terá” - Jefferson Peres, senador – PDT-AM – O Estado de S. Paulo, 9-12-2007.

"Até segunda-feira, teremos mais que os 41 votos necessários apoiando entusiasticamente a candidatura de Simon. Poucas vezes houve fenômeno desse tipo no Senado" – Eduardo Suplicy, senador – PT-SP  - Folha de S. Paulo, 8-12-2007.

"Como se sentiria o PT se o PMDB resolvesse interferir em seus assuntos internos? Esse movimento só atrapalha”- Ideli Salvatti, líder da bancada do PT, sobre a iniciativa do colega Eduardo Suplicy de lançar à presidência do Senado o peemedebista Pedro Simon, ausente da lista de candidatos feita por seu próprio partido – Folha de S. Paulo, 8-12-2007.

"Isso [a indicação da bancada] não vai acontecer. São esquemas que estão aí: o Renan [Calheiros], o Jader Barbalho, o [José] Sarney... Essa coisa. É o esquema. E o Pedro Simon é uma figura estranha a isso" – Pedro Simon, senador - PMDB-RS, comentando a possível indicação para a presidência do Senado – Folha de S. Paulo, 8-12-2007.


Rogéria ou Renan?

"O que é menos pedagógico para as nossas crianças: um Renan solto e livre em carne e osso ou uma Rogéria seminua numa fotografia?" - André Petry, jornalista, Veja, 12-12-2007.
Sarney segundo Lula

"Adhemar de Barros e Maluf são trombadinhas perto do grande ladrão que é o governante da Nova República [Sarney]"  - Luiz Inácio Lula da Silva, então deputado federal, em 1987 – Folha de S. Paulo, 8-12-2007.

"Quero agradecer a lealdade que tem o companheiro Sarney" – Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República - Folha de S. Paulo, 8-12-2007.

"O Lula evoluiu. Não é mais aquele Lula de tanto tempo atrás. E, cá entre nós, o Sarney também evoluiu: não é o presidente da Arena da época do regime militar" – Pedro Simon, senador – PMDB/RS – Folha de S. Paulo, 8-12-2007.

“O Lula insistir no Sarney... A vida dá voltas. Quem diria dez anos atrás o Lula apresentar o Sarney como seu homem de confiança” – Pedro Simon, senador – PMDB-RS – O Estado de S. Paulo, 8-12-2007.

“O Sarney deve estar pensando em fazer as memórias este ano e depois pegar outros quatro anos para presidir o Senado” – Pedro Simon, senador – PMDB-RS – O Estado de S. Paulo, 8-12-2007.

Últimas edições

  • Edição 551

    Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

    Ver edição
  • Edição 550

    Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

    Ver edição
  • Edição 549

    Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

    Ver edição