Edição 222 | 04 Junho 2007

Quem foi Rûmî?

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Mawlānā Jalāl ad-Dīn Muhammad Rûmî nasceu em 30 de setembro de 1207 na região de Balkh, atual Afeganistão.

Mawlānā Jalāl ad-Dīn Muhammad Rûmî herdou de seu pai, um conhecido teólogo e mestre espiritual - Baha´uddin Walad -, o interesse pelas questões teológicas e místicas. Entre 1210 e 1212, sua família se estabeleceu em Samarcanda, então sob o controle mongol. A partir de 1216, a família faria uma série de viagens, passando por Bagdá, Meca e Damasco, até se instalar em Konya (Anatólia ) no ano de 1229. Na ocasião, esta cidade era espaço de refúgio de inúmeros literatos, artistas e místicos do mundo islâmico oriental. Rûmî casou-se duas vezes e teve 4 filhos.

Decisivo na sua vida foi o encontro com o dervixe errante, Shams al-Dîn Tabrîzî, no ano de 1244. Foi o encontro de dois oceanos espirituais. Trata-se de uma das mais espetaculares e ricas histórias de união mística. Shams foi para Rûmî uma real “manifestação teofânica”, inspirando profundamente toda a sua produção poética e mística posterior. Rûmî faleceu no dia 17 de dezembro de 1273, em Konya, onde se encontra o seu mausoléu, que é ainda hoje lugar de intensa peregrinação. Dentre suas produções, encontra-se o grandioso Mathnawî, em seis volumes, mas também o tratado em prosa Fihi-ma-fihi (o livro do interior), as cartas (Makâteb), além da significativa produção poética: as odes místicas, conhecidas como Dîwân-i Shams, e as quadras de amor, Rubâ´iyât.


“O amor partiu meu leve coração
e o sol vem clarear minhas ruínas.

Ouvi belas palavras do Sultão.
Caí por terra triste, acabrunhado.

Acercou-se de mim, vi o seu rosto.
´Do rosto eu não sabia mais que o véu`.

Se a luz do véu abrasa esse universo,
o que dizer do fogo de teu rosto?...”

 

 

 

 

 

 

 

Últimas edições

  • Edição 510

    Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

    Ver edição
  • Edição 509

    Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

    Ver edição
  • Edição 508

    Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

    Ver edição