Edição 219 | 14 Maio 2007

O aborto: algumas opiniões

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

O tema de capa da edição desta semana traz à tona a polêmica discussão sobre o aborto. Antes de mergulharmos na reflexão de especialistas sobre o tema, podemos nos deter sobre opiniões de algumas pessoas ouvidas pelos corredores da UNISINOS, pela IHU On-Line. Elas se posicionam se são a favor ou contra o aborto e, em razão do assunto, algumas se dividem. Confira:

“Eu sou contra o aborto, porque no momento em que a mulher engravida já existe uma vida. Não interessa se ela está grávida há uma ou duas semanas. Há muitos meios para prevenir uma gravidez. Fica grávida quem quer.”
Sílvia Sander da Silva, 54 anos, dona de casa

“Eu sou contra o aborto, porque acho que só Deus tem o direito de impedir que alguém possa nascer.”
Janete Ferreira de Oliveira, 42 anos, artesão

“Eu sou a favor do aborto, mas depende do ponto de vista. Se for um caso de estupro, eu concordo. Se for por inconseqüência, então eu sou contra. Temos que assumir os erros cometidos”.
Alex Santana, 34 anos, mestrando em Ciências Contábeis

“Cada caso precisa ser estudado individualmente. É necessária uma política de educação de prevenção da gravidez indesejada. A população de baixa renda, que não tem acesso à educação ou a uma saúde pública de qualidade, deve ser informada sobre como prevenir a gravidez indesejada e ser instruída a ter um planejamento familiar. No caso de a mulher não ter realmente condições de ter mais um filho, como uma última opção, ela teria a possibilidade de fazer aborto. Cada caso deve ser avaliado com cuidado e respeito, pensando nas condições psicológicas, econômicas e de saúde. Mas o aborto não deve ser usado como método contraceptivo.”
Janaína Antunes Alves, 32 anos, estudante de Psicologia

“Sou a favor em caso de estupro.”
Aline Kunzler, 23 anos, estudante de Biologia

“Eu sou contra em casos de irresponsabilidade, de gravidez indesejada. A partir do momento em que você teve relação sexual, precisa arcar com as conseqüências. Em caso de um estupro, eu sou a favor, porque a pessoa violentada não tem culpa da conseqüência do ato. Em outros casos, sou contra o aborto como alternativa.”
Fabiano Machado Martins, 24 anos, estudante de Física

“Eu acho que quem deveria decidir isso são as mulheres, que são as mais interessadas no assunto. Sou a favor de elas decidirem. Essa é uma questão que é somente abordada por homens. Como esses não engravidam, não poderiam decidir sobre o assunto.”
Guilherme Piletti, 23 anos, estudante de Jornalismo

“Eu sou a favor do aborto em certos casos. Mas na maioria dos casos sou contra. É uma vida que tu tiras.”
Ricardo Luís da Costa, 32 anos, pedreiro

“Eu sou contra o aborto, porque não consigo achar um motivo relevante que o justifique. Mas, ao mesmo tempo, também, sou a favor, porque não sei como agiria se estivesse em uma situação em que o aborto é uma alternativa. Defendo o aborto, por exemplo, no caso de abuso sexual.”
Débora Cristina Weber, 20 anos, estudante de Educação Física

“Sou a favor do aborto quando se trata de estupro ou se a pessoa não tem realmente condições de cuidar do filho, como menores de até quinze anos, que não têm preparação para cuidá-lo.”
Diego Capela, 22 anos, estudante de Jornalismo

"Eu tinha 19 anos e trabalhava em casa de família. Lá eu conheci meu primeiro namorado e engravidei. Ele não quis saber da criança. Eu sabia que a dona da casa onde eu trabalhava iria me demitir e que a minha mãe não iria deixar eu voltar para casa grávida. Desde o começo, eu sabia que não dava para ter um filho assim. Pedi ajuda, então, para a dona da casa onde eu trabalhava. Ela me levou a um médico, que me receitou um abortivo. Disse que era para eu tomar e ficar trancada no quarto sem sair porque podia doer. Assim que eu cheguei em casa eu tomei. Tive uma cólica forte. Eu nunca me arrependi, porque não iria poder criar aquele filho, que seria mais uma criança triste no mundo."
Terezinha, 63 anos, aposentada

Últimas edições

  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição
  • Edição 542

    Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

    Ver edição