Edição 480 | 07 Março 2016

A detecção das ondas gravitacionais tornou concreto o que até então era abstrato

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

João Vitor Santos | Edição Leslie Chaves

Segundo o físico Marcelo Gleiser, a descoberta é um triunfo para a ciência, pois comprova uma hipótese que se manteve vanguardista de Einstein aos dias de hoje

O pensamento construído por uma série de estudiosos que, há cerca de um século, se ocuparam em tentar descobrir como se originou o mundo e o universo conquistou mais uma “prova” da efetividade de suas teorias. Entre as elaborações teóricas que têm sido mais relacionadas com as novas descobertas acerca da presença de ondas gravitacionais no espaço, está a teoria da Relatividade Geral, concebida por Albert Einstein. Conforme ressalta em entrevista por e-mail à IHU On-Line o físico Marcelo Gleiser, esse vínculo ganha ainda mais relevância a partir da constatação de que “as ondas gravitacionais mostram que o espaço (e o tempo) não são apenas palco para os fenômenos naturais, mas atores nesse grande drama. Elas dão existência física ao espaço, ampliando nossa visão de mundo com mais um resultado surpreendente da Relatividade Geral”.

Para o físico, a descoberta abre passagem para diferentes miradas acerca dos fenômenos espaciais. “Agora que sabemos que ondas gravitacionais podem ser causadas por eventos astrofísicos bem dramáticos, podemos começar a estudá-los com novos olhos. O próximo passo é ampliar a base de informação, buscando por outras fontes de ondas gravitacionais. Do mesmo modo que nossa compreensão do universo foi gradativamente aumentando com os avanços da astronomia tradicional, o mesmo irá ocorrer com essa nova astronomia. Potencialmente, até as ondas formadas durante o Big Bang poderão ser eventualmente medidas”, prevê.

Marcelo Gleiser é graduado em Física pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio, mestre em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e doutor em Física Teórica pelo King’s College, em Londres. É pós-doutor pelo Fermilab e pela Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, nos Estados Unidos. Leciona no Dartmouth College, em Hanover, nos Estados Unidos. Tem uma vasta produção acadêmica, além de inúmeros artigos e livros publicados, dentre os quais citamos A ilha do conhecimento: Os limites da ciência e a busca por sentido (Rio de Janeiro: Record, 2014); Criação imperfeita (Rio de Janeiro: Record, 2010); Cartas a um jovem cientista (Rio de Janeiro: Campus, 2007); Conversa sobre fé e ciência (São Paulo: Agir, 2011), escrito com Frei Betto; e A dança do universo (Rio de Janeiro: Companhia de bolso, 2006).

 

Confira a entrevista.


IHU On-Line - O que representa para a ciência a detecção das ondas gravitacionais e, como consequência, a comprovação da Teoria da Relatividade? 

Marcelo Gleiser - É um grande triunfo para a física teórica (e experimental) quando uma previsão aparentemente tão exótica vem a ser comprovada. No caso das ondas gravitacionais, elas inauguram um novo tipo de astronomia, agora baseada nas vibrações da própria estrutura do espaço, em vez de ondas luminosas vindas de diversas fontes.

 

IHU On-Line - Qual a questão de fundo dessa descoberta? E quais os impactos no pensamento filosófico e para além das ciências?

Marcelo Gleiser - As ondas gravitacionais mostram que o espaço (e o tempo) não são apenas palco para os fenômenos naturais, mas atores nesse grande drama. Elas dão existência física ao espaço, ampliando nossa visão de mundo com mais um resultado surpreendente da Relatividade Geral. 


IHU On-Line - Como entender que uma teoria – da Relatividade Geral - concebida há 100 anos é comprovada agora sem nenhuma defasagem? A Teoria, ao longo desse tempo, não evidenciou possíveis equívocos e limitações?

Marcelo Gleiser - Testes da Relatividade Geral começaram logo após sua publicação em 1915. Mas como toda teoria científica, deve continuar a ser testada, seus limites ampliados, para entendermos onde começa a falhar. Até o momento, não encontramos falhas na teoria, já que todos os testes foram confirmados. Por outro lado, temos aí os mistérios da matéria e energia escura, que podem indicar alguma limitação da teoria.

 

IHU On-Line - Quais são os impactos científicos da comprovação da existência das ondas gravitacionais? Qual deve ser o próximo passo?

Marcelo Gleiser - Agora que sabemos que ondas gravitacionais podem ser causadas por eventos astrofísicos bem dramáticos, podemos começar a estudá-los com novos olhos. O próximo passo é ampliar a base de informação, buscando por outras fontes de ondas gravitacionais. Do mesmo modo que nossa compreensão do universo foi gradativamente aumentando com os avanços da astronomia tradicional, o mesmo irá ocorrer com essa nova astronomia. Potencialmente, até as ondas formadas durante o Big Bang poderão ser eventualmente medidas.

 

IHU On-Line - O que mais os trabalhos de Einstein ainda podem revelar sobre a origem do universo?

Marcelo Gleiser - Difícil dizer, sua teoria da Relatividade não se aplica às condições extremas vigentes perto do Big Bang.

 

IHU On-Line - Assumindo essa constatação de Einstein acerca da Teoria da Relatividade, significa que a Teoria do Big Bang passa a ser mais aceita, ou pode ainda ser revista?

Marcelo Gleiser - A descoberta dá ainda mais garantias de que a teoria do Big Bang, baseada na teoria da Relatividade, está correta: o universo teve uma infância extremamente densa e quente, e vem expandindo desde então.

 

IHU On-Line - Em que medida a comprovação da existência das ondas gravitacionais pode mudar acerca do pensamento sobre a origem do homem e do universo?

Marcelo Gleiser - Não deve mudar muito, já que confirma o que já sabíamos, que a teoria da Relatividade funciona.

 

IHU On-Line - Em que medida a flexibilidade de tempo e espaço em Einstein diz respeito à ideia de “criação imperfeita”?

Marcelo Gleiser - Apenas eventos com assimetria espacial podem gerar ondas gravitacionais; por exemplo, uma esfera colapsando não gera essas ondas. Portanto, apenas numa “criação imperfeita”, num cosmo repleto de assimetrias, essas ondas podem existir. 

 

IHU On-Line - Como a comprovação da existência das ondas pode impactar na relação do homem com o universo, o mundo e o meio ambiente?

Marcelo Gleiser - Acho que, no mínimo, deveria inspirar ainda mais pessoas a admirar os resultados e ideias da ciência moderna. Quanto mais pessoas absorverem a nova visão de mundo, mais vão entender o papel da criatividade humana na nossa concepção do cosmo e a importância da preservação da Terra, berço que é de todas nossas ideias.■

 

Leia mais...

- Descobertas e incertezas sobre o “suor dos átomos”. Entrevista especial com Marcelo Gleiser publicada na revista IHU On-Line, nº 474, de 05-10-2015.

- Deus, Einstein e os dados. Artigo de Marcelo Gleiser publicado nas Notícias do Dia, de 23-04-2013, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- As novas gramáticas da ciência e o cosmo dentro de nós mesmos. Marcelo Gleiser na conferência de abertura do XIII Simpósio Internacional IHU. Reportagem publicada nas Notícias do Dia, de 04-12-2012, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- A crença na miraculosa capacidade humana da descoberta. Entrevista especial com Marcelo Gleiser publicada nas Notícias do Dia, de 10-10-2012, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

- Além da fronteira do Cosmos. Artigo de Marcelo Gleiser publicado nas Notícias do Dia, de 25-09-2012, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Últimas edições

  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição
  • Edição 542

    Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

    Ver edição