Edição 471 | 31 Agosto 2015

Pensar o humano em diálogo crítico com a Constituição Gaudium et Spes

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Geraldo Luiz De Mori

Cadernos Teologia Pública, em sua 99ª edição, traz o artigo de Geraldo Luiz De Mori, professor de Teologia na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia - FAJE.
Pensar o humano em diálogo crítico com a Constituição Gaudium et Spes

Neste artigo Geraldo Luiz De Mori propõe um resgate do aporte da Gaudium et Spes para a compreensão do ser humano e seu impacto na elaboração dos tratados de antropologia teológica surgidos desde então. De acordo com o professor, a Gaudium et Spes, um dos últimos textos do Concílio Vaticano II, é conhecida por seu teor pastoral. “Sua estrutura interna, que começa com um Proêmio (n. 1-2), ao qual se seguem a Introdução, ‘A condição humana do homem no mundo de hoje’ (n. 4-11), e duas partes, a primeira, ‘A dignidade da pessoa humana’ (n. 12-45), e a segunda, ‘Alguns problemas mais urgentes’ (n. 46-93), mostra, porém, que o teor pastoral é o resultado de uma elaboração dogmática. Pode-se dizer que os quatro capítulos da primeira parte são um esforço por pensar o ser humano à luz da cristologia”, explica. 

Mori ressalta que, embora a interpretação imediata deste documento apostólico após o Concílio tenha sido a do diálogo da Igreja com o mundo contemporâneo, o texto é o resultado de um esforço por romper os esquemas subjacentes à teologia pré-conciliar, que opunham o natural ao sobrenatural, fazendo a revelação intervir num segundo momento, justapondo um plano ao outro. “A Gaudium et Spes procura pensar o humano à luz do cristológico, e seu esforço foi lido de modo diferente no debate que se seguiu ao Concílio, protagonizado, entre outros, por E. Schillebeeckx, H. de Lubac e G. Colombo. Para além desse debate, os anos que se seguiram à publicação desse texto conciliar viram o surgimento de tratados de antropologia teológica, muitos dos quais se valendo da nova articulação feita pelo documento”, analisa. 

O artigo começa fazendo uma breve retomada dos grandes núcleos da articulação entre antropologia e cristologia feitos no texto da Gaudium et Spes, em seguida faz o esforço de retomar o teor das três “recepções” da articulação mencionada antes, para, num terceiro momento, apresentar os esquemas que parecem subjazer aos principais tratados de antropologia teológica elaborados após o Concílio. 

Esta e outras edições dos Cadernos Teologia Pública podem ser adquiridas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, solicitadas pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e também suas versões digitais podem ser acessadas.■

 

Últimas edições

  • Edição 505

    Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

    Ver edição
  • Edição 504

    Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

    Ver edição
  • Edição 503

    A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

    Ver edição