Edição 449 | 04 Agosto 2014

A desigualdade no século XXI. A desconstrução do mito da meritocracia

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

A desigualdade sobrevive. Aliás, o mundo contemporâneo tem testemunhado o aceleramento dos níveis globais de desigualdade. Em síntese, é isso que demonstra o livro do economista francês Thomas Piketty, O Capital no Século XXI (Le capital au XXIe Siècle, Paris: Seul, 2013). Ao analisar historicamente o capitalismo e desconstruir o mito da meritocracia, Piketty desafia a narrativa de que o liberalismo poderia resultar em uma sociedade mais igualitária. É diante deste horizonte, onde, via de regra, o fascínio com o aumento da renda é confundido com justiça social, que a IHU On-Line apresenta o debate sobre a desigualdade no século XXI.

Luiz Gonzaga Belluzzo, professor doutor titular do Instituto de Economia da Unicamp, debate a problemática da desigualdade e considera que “a acumulação de riqueza no capitalismo não se faz ao largo dos critérios meritocráticos”.

O economista, professor e jesuíta francês Gaël Giraud, diretor de pesquisa do Centre national de la recherche scientifique - CNRS, membro do Centro de Economia da Sorbonne e da Escola de Economia de Paris, sustenta que a ecologia econômica — que não é nem marxista nem neoliberal — pode se tornar uma via promissora no debate sobre a desigualdade.

Roberto Romano, professor de Filosofia na Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, argumenta que o direito à igualdade é um direito à felicidade e traça um perfil sobre a emergência dos conceitos de igualdade no ocidente, debatendo os desafios a esta questão a partir da filosofia política.

Joseph McCartin, especialista em trabalho nos Estados Unidos e diretor da Kalmanovitz Initiative for Labor and the Working Poor na Universidade de Georgetown, comenta a desigualdade nos EUA e debate sobre mito neoliberal da liberdade.

Para o professor de Ciências Políticas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp/FFC, Marcos Del Roio, o fascismo contemporâneo está manifesto na ditadura imposta pelas grandes corporações.

Flávio Comim, professor de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS e professor visitante da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, amplia o debate sobre as condições da desigualdade, abrangendo aspectos que vão da economia à educação, da questão de gênero ao acesso à saúde.

Por sua vez, Antonio David Cattani, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS aborda a conjuntura socioeconômica da América Latina na perspectiva da construção da equidade social.

André Luiz Olivier, professor no curso de Direito e de Relações Internacionais da Unisinos, comenta a construção da igualdade e da justiça desde o paradigma jurídico-filosófico.

Complementam esta edição a entrevista dos filósofos Agemir Bavaresco, professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS, e Danilo Vaz-Curado, professor da Universidade Católica de Pernambuco - Unicap, sobre a obra de Charles Taylor, Hegel. Sistema, método e estrutura (São Paulo: É Realizações, 2014).

Já a entrevista com Maurício Ferreira, professor e coordenador do Curso de Pedagogia da Unisinos, debate a flexibilização da existência e do conhecimento.

A recente publicação da Conjuntura da Semana  sob o título “A desigualdade social brasileira no contexto mundial contemporâneo”, produzida em parceria entre o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, os colegas Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT e por Cesar Sanson, professor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN é sintetizada nesta edição.

A todas e a todos uma boa leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 507

    Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

    Ver edição
  • Edição 506

    Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

    Ver edição
  • Edição 505

    Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

    Ver edição