Edição 427 | 16 Setembro 2013

TAHAN, Malba. O homem que calculava, 79. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Sala de Leitura
O homem que calculava, 79. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

O homem que calculava narra as aventuras de um calculista persa, chamado Beremiz Samir, no caminho entre Samarra e Bagdá, no século XIII. Ao longo da história, são apresentados problemas e curiosidades matemáticas, inspirados nos contos de Mil e Uma Noites. Malba Tahan ensinava matemática por meio da ficção e é aqui que reside a grande curiosidade. O autor Malba Tahan, nascido em 1885, na Árábia Saudita, cuja obra seria traduzida pelo fictício professor Breno Alencar Bianco, nada mais é do que o pseudônimo do matemático e escritor brasileiro Júlio César de Mello e Souza. Júlio César foi um aluno com mau desempenho em matemática, apontando o ensino tradicional como vilão. A própria biografia do professor, que ficou célebre por sua atuação inovadora, com uma didática própria, lúdica e divertida, é um enredo de ficção, visto que somente conseguiu destaque para os seus contos quando criou um fictício autor americano, R. S. Slade, viabilizando a publicação de sua obra. 

Gustavo Paim é professor do curso de Direito da Unisinos.

Últimas edições

  • Edição 530

    Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

    Ver edição
  • Edição 529

    Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

    Ver edição
  • Edição 528

    China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

    Ver edição