Por um sistema integrado de tratamento do lixo

“Temos que minimizar a geração, começando pela redução na fonte, ou seja, não gerando o lixo e, se este for inevitável, gerar menos, evitando o desperdício”, defende Eglé Novaes Teixeira

Por: Graziela Wolfart

Na visão da professora da Unicamp Eglé Novaes Teixeira, nossos hábitos nos conduzirão a um “mundo de lixo”. Na entrevista que concedeu por e-mail à IHU On-Line, ela acredita que todos devem mudar seus hábitos, passando a gerar menos resíduo, pensando e consumindo de forma consciente. “Antes de fazermos uma compra, devemos nos perguntar: preciso realmente deste bem ou coisa? O que tenho não dá para ser ainda usado? Preciso comprar tanto? Não posso diminuir a quantidade que estou comprando? Vou poder aproveitar tudo que estou comprando?”, questiona. E continua: “se realmente tivermos que fazer a compra, devemos optar por produtos que sejam reutilizáveis ou recicláveis. Agindo sempre dessa forma, evitaremos o desperdício, diminuiremos o lixo que geramos e ainda economizaremos nosso dinheiro”.

Eglé Novaes Teixeira possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, mestrado em Engenharia Agrícola pela mesma instituição, doutorado em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo e é livre docente na área de Resíduos sólidos também pela Unicamp, onde é professora.

Confira a entrevista.


IHU On-Line – Em que sentido Fernando de Noronha pode ser apontado como o “paraíso do lixo”? Quais os fatores que favorecem o aumento do lixo no local?

Eglé Novaes Teixeira –
Paraiso do lixo é redundante e exagero. O que acontece é que Fernando de Noronha é uma ilha e depende de tudo do continente, inclusive para dispor seu resíduo. Quando a coleta e transporte deixam a desejar, a ilha transforma-se no “paraíso do lixo”, ou seja, fica lixo disposto inadequadamente. Quanto ao aumento de lixo no local, afora o turismo, é o próprio estilo de vida atual, com muito descartável, muita embalagem, que a natureza não consegue eliminar (não podemos esquecer a grande quantidade de lixo gerada por pessoa). Para diminuir este efeito, só com a conscientização de todos para, além de dispor o lixo no local adequado, pensar antes de comprar se há realmente necessidade dessa compra, pois tudo o que se compra, de uma forma ou de outra, gera lixo. Temos que minimizar a geração, começando pela redução na fonte, ou seja, não gerando o lixo e, se este for inevitável, gerar menos, evitando o desperdício.


IHU On-Line – Qual a importância das usinas de compostagem em relação ao papel de transformar o resíduo orgânico em adubo?

Eglé Novaes Teixeira –
Para transformar lixo em adubo, em escala maior, as usinas de compostagem são a única opção. A população pode fazer o composto (adubo feito a partir de resíduo orgânico, via compostagem) em casa, via compostagem caseira. Mas em termos de município, só através de usina de compostagem (também chamadas de unidades de compostagem). A grande vantagem da compostagem é que reduz a quantidade de resíduo que tem que ser disposta (é a parcela transformada em adubo que retorna ao solo, deixando de ir ao aterro). Mas para que seja efetivamente útil, deve-se ter mercado para o composto, ou seja, área agrícola próxima, com capacidade para absorver o composto. Não se pode esquecer que após o período inicial, da formação do primeiro composto, tem-se que dispor o composto diariamente, em quantidade igual a aproximadamente 50 ou 60% da matéria orgânica que está entrando na usina. Tem que haver plantações capazes de receber o adubo diariamente (claro, tem que ser mais de um tipo de plantação, já que cada uma não consegue ser adubada todos os 365 dias do ano).


IHU On-Line – Quais os maiores problemas que envolvem os grandes lixões a céu aberto? Que alternativas se colocam a eles?

Eglé Novaes Teixeira –
O grande problema dos lixões a céu aberto é que eles geram todos os tipos de contaminação: contaminam o ar (gases voláteis e quando da queima indiscriminada), contaminam o solo com o próprio resíduo e com o chorume (líquido proveniente da decomposição da matéria orgânica mais a água proveniente da umidade do lixo e da chuva principalmente), contaminam as águas subterrânea e superficial (com o chorume se infiltrando e/ou escoando superficialmente). São focos de doenças, pois oferecem abrigo e alimento a vetores (ratos, baratas, escorpiões, além de animais de maior porte e o próprio homem) que são veículos que proliferam doenças. Ainda são esteticamente fonte de poluição visual. A alternativa ao lixão é a disposição e o tratamento ambientalmente adequados do resíduo, onde se podem citar o aterro sanitário, a compostagem, a reciclagem e mesmo um sistema de incineração (envolve, além do forno, processos de tratamento dos gases, da água gerada neste tratamento dos gases, a disposição adequada das cinzas e dos resíduos provenientes do tratamento dos gases e da água). Atualmente, não se deve mais pensar em apenas em um tipo de tratamento, mas em um sistema integrado de tratamento do lixo, onde cada tipo de resíduo recebe o tratamento mais adequado.


IHU On-Line – Qual seria o melhor destino, em sua opinião, para os resíduos sólidos do lixo doméstico?

Eglé Novaes Teixeira –
O sistema integrado de tratamento de resíduos citado na questão anterior. Assim, o resíduo reciclável deve ser encaminhado à reciclagem; a matéria orgânica, se possível e na quantidade em que é possível utilizar o composto, deve ser encaminhada à compostagem. A matéria orgânica não possível de ser compostada, juntamente com varrição, resíduo da limpeza de boca de lobos e galerias de águas pluviais, deve ser encaminhada a um aterro sanitário. O resíduo de construção civil deve ser segregado e aquela parcela passível de ser reciclada na construção civil deve ser encaminhada para reciclagem. A parcela de resíduo perigoso (tintas solventes, etc.) deve ser encaminhada para aterros de resíduos perigosos ou incineração. A parcela de resíduo comum (plástico, papel, papelão, matéria orgânica) deve ser disposta como os resíduos que o compõe (recicláveis e orgânicos) e a parcela que não é perigosa e nem reciclável deve ser encaminhada a aterros de resíduos da construção civil. O resíduo de serviços de saúde deve ser separado e o infeccioso deve ser desinfetado (autoclavagem  ou micro-ondas, principalmente) ou incinerado; o comum, assim disposto; o resíduo químico deve ser encaminhado para incineração e/ou recuperação. Enfim, cada tipo de resíduo deve ter o tratamento mais adequado às suas características e de forma a não poluir e nem contaminar o ambiente.


IHU On-Line – Como a senhora vê a proposta da criação de usinas de incineração de lixo para a geração de energia elétrica?

Eglé Novaes Teixeira –
A incineração só é aceitável hoje se for feita por meio de um sistema de incineração, ou seja, o resíduo deve ser bem conhecido para poder entrar no sistema e, dessa forma, o sistema deve ter processos de tratamento para eliminar ou reduzir a índices aceitáveis pela legislação para lançamento todos os tipos de gases a serem gerados com a queima controlada desse resíduo. Se no tratamento dos gases for utilizada água (como nos lavadores de gases, por exemplo), a água resultante do tratamento, com as impurezas resultantes da limpeza dos gases, deve ser também tratada. Os sólidos gerados em todo o sistema de incineração (cinzas e escórias geradas no forno, particulados e precipitados gerados no tratamento dos gases, e lodos gerados no tratamento de eventual água) devem ser dispostos adequadamente em função de suas características (se perigosos, em aterros de resíduos perigosos e se inertes, em aterros de inertes). Dessa forma, o sistema de incineração é aceitável, pois além de não poluir ainda permite a recuperação energética, usualmente empregada para gerar energia elétrica. Nos países frios, essa prática também é usada para calefação de ambientes. O único problema desse tipo de tratamento é obviamente o seu custo. Por isso é que o sistema de incineração só é adotado quando as demais opções são inviabilizadas (por exemplo, não haver área disponível e adequada para aterro sanitário). Usar a incineração apenas para gerar energia não tem sentido. Deve ser usada para tratar resíduos, aproveitando a energia.


IHU On-Line – Que análise a senhora faz da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS?

Eglé Novaes Teixeira –
A PNRS, tão esperada e desejada, finalmente chegou. Acredito que vamos ter uma melhora significativa na disposição de resíduo gerado e teremos, acredito, implantada a logística reversa para mais tipos de resíduos além dos obrigatórios pela PNRS (esta permite e abre espaço para que outros setores adotem a logística reversa, desde que de comum acordo), pois esta é, no final das contas, interessante ao setor produtivo. O que gostaria que tivesse tido mais ênfase é a redução na fonte de resíduo (é citada, mas gostaria que fosse mais incisiva).


IHU On-Line – Gostaria de acrescentar mais algum comentário sobre o tema?

Eglé Novaes Teixeira –
Sim. Gostaria de que todos os leitores sensibilizassem e se conscientizassem que nossos hábitos, como estão hoje, nos conduzirão a um mundo de lixo. Temos que mudar nossos hábitos, passando a gerar menos resíduo, pensando e consumindo de forma consciente. Antes de fazermos uma compra, devemos nos perguntar: preciso realmente deste bem ou coisa? O que tenho não dá para ser ainda usado? Preciso comprar tanto? Não posso diminuir a quantidade que estou comprando? Vou poder aproveitar tudo que estou comprando? Se realmente tivermos que fazer a compra, devemos optar por produtos que sejam reutilizáveis ou recicláveis. Agindo sempre desta forma, evitaremos o desperdício, diminuiremos o lixo que geramos e ainda economizaremos nosso dinheiro.

Comentários

Rubens Reinaldo Nogueira
comentou em 11/03/2013
Acho que o Senhor Dan Moche não foi ainda apresentado às particulas - dioxina e furano. Essa duplinha e de matar mesmo.
Dan Moche Schneider
comentou em 03/12/2012
Querida Eglé, Permita-me respeitosamente discordar de 3 pontos: 1. "o sistema de incineração é aceitável, pois além de não poluir ainda permite a recuperação energética": Incinerar resíduos polui e apresenta danos e riscos sanitários e ambientai

Deixe seu comentário

Digite seu comentário (obrigatório):
Nome (obrigatório): Email (não será publicado): Website (opcional):
Digite o código de verificação:
Click to refresh image