Edição 396 | 02 Julho 2012

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

Enquanto a sociedade contemporânea aposta cada vez mais no uso da técnica e da ciência, movimentos apostam na retomada das formas mais primitivas e naturais de viver e morrer. É o que se manifestou mais claramente na recente Marcha do Parto em Casa que luta pelo parto natural e humanizado, tema em debate na revista IHU On-Line desta semana.

Contribuem nesta edição, Ricardo Herbert Jones, um dos precursores do parto humanizado no Brasil e único obstetra que realiza parto domiciliar no Rio Grande do Sul, a obstetra Melania Amorim, professora de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, o pediatra Marcus Renato Carvalho, especialista em aleitamento materno, a parteira tradicional e profissional mexicana Naolí Vinaver, a bióloga Ligia Moreiras Sena, e a obstetra Ana Cristina Duarte, do Grupo Samaúma – Maternidade Consciente, e do Grupo de Apoio à Materinidade Ativa – GAMA.

Três depoimentos completam a discussão do tema do parto natural e humanizado.

Uma avaliação da Rio+20 e da Cúpula dos Povos é feita por Ricardo Abramovay, professor da USP, Eduardo Viola, professor da UnB, e Washington Novaes, jornalista ambiental.

No 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II, Ione Buyst, teóloga, reflete sobre o significado e a recepção do primeiro documento emanado deste importante evento, que foi a Constituição Sacrosanctum Concilium, sobre a renovação litúrgica.

Cícero Inacio da Silva, professor e especialista em tecnologias digitais, reflete sobre o universo digital e o que pode ser considerado como mídia e João Martins Ladeira, pós-doutorando do PPGCOM/Unisinos é autor do artigo Uma estreia apaixonante? A versão brasileira das indústrias criativas.

Elton Vitoriano Ribeiro, filósofo, reflete sobre a contribuição de Charles Taylor, Henrique Cláudio de Lima Vaz e Alasdayr MacIntyre para a compreensão da contemporaneidade

A despedida do cardeal jesuíta, Carlo Maria Martini, arcebispo emérito de Milão, é o tema do comentário de Faustino Teixeira, professor e pesquisador do PPG em Ciências da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

A todas e a todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 507

    Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

    Ver edição
  • Edição 506

    Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

    Ver edição
  • Edição 505

    Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

    Ver edição