Edição 356 | 04 Abril 2011

A dependência da juventude nas tecnologias digitais

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Sérgio Mattos

Com o advento das novas tecnologias digitais, a juventude brasileira, nascida a partir de 1990, passou a ter acesso a uma nova forma de interpretar a realidade, como também mudou a forma de consumir a mídia. As Tecnologias de Informação e Comunicação, além de seduzirem os jovens, transformaram-se em verdadeiro laboratório de criação, que já nasceram plugados e estão a desafiar os modelos tradicionais.

Conectados ao mundo pela internet, participando de sítios de relacionamentos, os jovens se movem em redes. Ao interagirem com o mundo virtual, acabam construindo um sentimento de autonomia e de identidade, mas que também conduz à dependência e à solidão.

No mundo virtual e das tecnologias digitais, plugados aos sítios de relacionamentos, a juventude brasileira está ficando cada vez mais individualista, vaidosa, liberal e antenada à tecnologia.
Para termos uma ideia de como esta geração tem usado as novas tecnologias digitais, o Portal de Informação Juvenil apresenta alguns dados interessantes que reproduzimos a seguir:
Blogs (diário online) – O Brasil é o quinto país no mundo de leitores de blogs. O número chega a quase 9 milhões de leitores de acordo com dados do Ibope/NetRatings. No a audiência de jovens chega a ser até mais de 50%.

Podcast ou podasting – O Brasil já é o terceiro no ranking mundial em download de podcasts. Vários sítios de podcasting são voltados para a temática jovem. Eles veiculam diversas informações e podem ser um meio útil de publicar ou mesmo levantar as principais discussões juvenis. É uma emissão de informações em áudio-visual semelhante a uma subscrição de revista que se pode receber via internet. A juventude utiliza esta ferramenta para divulgar seus trabalhos, fazer vídeos ou colocar suas músicas e deixar disponível para quem quiser ver ou ouvir. A vantagem é que qualquer jovem pode criar e disponibilizar um. Só precisa de um microfone ou uma câmera de vídeo e uma conexão à web.

Vídeos, blogs – Os serviços de vídeo blogs aqui no Brasil são muito populares entre a juventude. É lá que muitos jovens acessam um serviço de publicação multimídia que permite que compartilhem vídeos e comentários a respeito de qualquer assunto. Assim, eles postam textos e vídeos, assistem a vídeos e trocam informações por meio de imagens que eles mesmos produzem. Os serviços de vlogs mais populares no Brasil são o YouTube e Vimeo.

Orkut – O Brasil tem o maior número de membros e cerca de 59,41% dos usuários tem idade de 18 a 25 anos. O Orkut é uma das ferramentas da internet mais usadas e sua definição mais apropriada é de uma rede social.

My Space – é uma rede social de comunicação online por meio de uma rede interativa de fotos, blogs vídeos, comunidades, fóruns, grupos, e-mail, perfis de usuários entre outros. (...) O diferencial é sua capacidade de hospedar MP3s. O maior público deste sítio são bandas e músicos que fazem de suas páginas e perfil seu site oficial. Atualmente, há 56 mil bandas do Brasil cadastradas no MySpace.
Facebook – O potencial desta ferramenta está na possibilidade de se tornar uma plataforma estruturada de redes sociais e ser o maior aglomerador de jovens na internet em todo o mundo.
Torpedo, SMS (short message service) – Atualmente é um dos serviços que a juventude mais utiliza para se comunicar. Segundo pesquisas da Nielsen 79,9% dos jovens (15-24 anos) mandam mensagens de texto pelo celular. Os jovens estão usando cada vez mais o envio de mensagens do que as chamadas de voz.

Twitter – é uma rede social e servidor para microblogging que permite que os usuários enviem mensagens, notícias e atualizações pessoais com mensagens de texto de apenas 140 caracteres via SMS, torpedo, e-mail, sítio oficial ou um programa especializado.

Estas são algumas das ferramentas mais usadas pela juventude brasileira; isto sem falarmos dos correios eletrônicos ou serviços de e-mail, que são utilizados por 97% dos jovens, e os celulares, através dos quais também os jovens enviam e-mails.

Com a convergência digital, o telefone celular pode ser usado para transmissão e recepção da voz, acessar internet, verificar e-mails, fazer download de músicas, vídeos e filmes, fotografar, assistir programa de televisão, ouvir emissora de rádio, além de armazenar conteúdos e dados. Ao usar o celular, é possível assumir o papel de receptor, transmissor e fonte de informações, rompendo assim alguns paradigmas da comunicação. Também passa a ser uma nova forma de se vender música digital, possibilitando às gravadoras, por exemplo, driblar os sítios de download gratuito, apontando, assim, para uma perspectiva de que o celular poderá se transformar na maior fonte de receita das gravadoras de música como também dos produtores de conteúdos audiovisuais. Já começam a ser disponibilizados, via celular, filmes na íntegra, jogos, videoclipes e áudio-livro, programas televisivos previamente embarcados e a recepção livre do sinal de emissoras de canais abertos de televisão.

O celular é hoje a principal mídia portátil usada pela juventude brasileira por vir se caracterizando como ferramenta apropriada para a produção de conteúdo multimídia. Com o celular digital, os jovens estão se transformando em produtores e distribuidores de conteúdos multimídia para grupos e redes. Isto porque o celular, com sua alta mobilidade e portabilidade, é capaz de ser multifuncional em áudio e vídeo, permitindo à juventude assumir uma postura ativa, participando como agente transformador e construtor da realidade, interagindo, sendo fonte, receptor e transmissor simultaneamente.
Grande parte do que é produzido é postado na web. A análise dos produtos juvenis é mais um caminho para entendermos o imaginário da juventude brasileira.

Últimas edições

  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição