Edição 322 | 22 Março 2010

De um capitalismo selvagem para um capitalismo decente: a evolução brasileira

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Patrícia Fachin

A única maneira de fazer política social no Brasil, “num país que tem fortíssima dominação da direita mais tradicional”, assinala o economista Ladislau Dowbor, é fazer uma política distributiva e, ao mesmo tempo, assegurar vantagens substanciais para as elites

O capitalismo mundial está se reorganizando, e, com isso, “há uma concentração fantástica de poder corporativo num plano internacional, o que gera uma ameaça tremenda, porque não há a correspondente capacidade de regulação internacional: não temos um governo mundial”, enfatiza o economista Ladislau Dowbor, na entrevista que segue, concedida por telefone à IHU On-Line. No Brasil, o reflexo desse processo se torna visível porque existe a formação de uma concentração de empresas, menciona o economista. Isso “aparece na imprensa com a justificativa de que se estão consolidando grupos nacionais para poder fazer frente aos grandes grupos mundiais”. Entretanto, assegura, com tal processo “se liquida a concorrência e termina tendo, evidentemente, o reforço da monopolização no país”. E argumenta: “reforçar a capacidade articuladora do Estado é uma coisa bastante evidente, agora, isso não significa um Estado mais dirigista. Significa um equilíbrio a ser restabelecido não só entre o Estado e a corporação, mas entre estes e a sociedade civil organizada”. Por outro lado, Dowbor aponta que, na sociedade brasileira, o Estado tem incentivado, de forma significativa, pequenas e médias empresas, além de criar um conjunto de programas que estimularam a redistribuição de renda no país, o que dá ao capitalismo outro sentido. “Está havendo menos uma reorganização do capitalismo”, e mais “uma evolução de um capitalismo selvagem para um capitalismo mais decente”.

Ladislau Dowbor é graduado em Economia Política pela Université de Lausanne (Suíça), com especialização em Planificação Nacional pela Escola Superior de Estatística e Planejamento, onde fez o mestrado em Economia Social e doutorado em Ciências Econômicas. Atualmente, é professor na PUC-SP. Ele mantém um blog na Internet, onde publica artigos e estudos. O endereço é www.ihu.unisinos.br).

• “A construção do conhecimento é um processo colaborativo”. Entrevista publicada em 27-11-2009.

• A crise financeira e o impacto ambiental. Entrevista publicada em 6-11-2008.

• Catástrofe em câmara lenta. Voltar ao bom senso. Eis o desafio! Publicada em 18-5-2008.

• A inclusão produtiva como alternativa para o Brasil. Publicada em 8-7-2006.

Últimas edições

  • Edição 501

    O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

    Ver edição
  • Edição 500

    Biomas brasileiros e a teia da vida

    Ver edição
  • Edição 499

    Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

    Ver edição