Edição 288 | 06 Abril 2009

“Um mundo novo é possível porque Jesus ressuscitou e caminha conosco”

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Graziela Wolfart

Sempre que no cotidiano conseguimos passar de uma situação difícil para uma situação melhor, realizamos Páscoa, acredita Antonio Cechin

Para o irmão marista e militante dos movimentos sociais Antonio Cechin, “Páscoa é passagem da morte para a Vida, da escravidão para a libertação”. Na entrevista que concedeu por e-mail para a IHU On-Line, ele defende que, “se os cristãos no mundo de hoje, enraizarem firmemente a sua fé em Jesus Cristo e se empenharem na luta por um mundo melhor, passaremos de um mundo capitalista, individualista, egoísta, desumano, de violência institucionalizada, para um mundo mais humano, fraternal, cooperativo, solidário, de paz”. E dispara: “A mão invisível da Providência realizou o milagre do tombo do capitalismo. O grande dilema em que estamos mergulhados neste momento é consertar o capitalismo ou inaugurar um mundo novo que é inteiramente possível. Essa é a grande esperança com que vamos embalados para as festas de Páscoa que se aproximam”.

Antonio Cechin formou-se em Letras Clássicas e em Direito, pela PUCRS, onde também foi professor. Fez sua pós-graduação no Centro de Economia e Humanismo, em Paris. Iniciou na Instituição Católica de Paris a especialização em catequese, quando foi chamado para o Vaticano, na Sagrada Congregação dos Ritos, no início da década de 1960. Depois, retornou ao Brasil e iniciou a luta junto aos movimentos sociais. Sua obra está centrada no seu ativismo mais do que na sua elaboração intelectual, e voltada para manuscritos e artigos.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Para o senhor, celebrar a Páscoa em pleno século XXI o que significa? Qual o significado do sentido da morte e ressurreição de Jesus Cristo para o contexto sociocultural atual?

Antonio Cechin - Páscoa é passagem da morte para a Vida, da escravidão para a libertação. Sempre que no cotidiano conseguimos passar de uma situação difícil para uma situação melhor, realizamos Páscoa, a exemplo de Cristo que passou da paixão e morte para a Vida e a Ressurreição. “Não há maior prova de amor do que dar a vida por aqueles a quem se ama.” Isso o Homem Jesus de Nazaré falou, isso Ele realizou. O mundo vive estertores de sofrimento e morte. Todos hoje falam em crise, desemprego, violência e morte, com milhões de famintos, doentes, desempregados etc. etc. “Não estamos simplesmente vivendo uma época de mudança, mas uma mudança de época.” Se os cristãos no mundo de hoje, enraizarem firmemente a sua fé em Jesus Cristo e se empenharem na luta por um mundo melhor, passaremos de um mundo capitalista, individualista, egoísta, desumano, de violência institucionalizada, para um mundo mais humano, fraternal, cooperativo, solidário, de paz.
 
IHU On-Line - De que maneira podemos relacionar a celebração da Páscoa com o perfil da sociedade e do ser humano contemporâneos?

Antonio Cechin - A humanidade ao longo dos séculos não soube se organizar de maneira fraterna. Foi montado o sistema em que uns poucos usufruem da maior riqueza, enquanto a imensa maioria vive a carência de tudo. Esse sistema capitalista que aí está é intrinsecamente perverso. Depois que a experiência do sistema comunista fracassou, houve quem afirmasse o fim da História (Fukuyama).  Parecia que o capitalismo seria nossa sina perpétua. Porém, a mão invisível da Providência realizou o milagre do tombo do capitalismo. O grande dilema em que estamos mergulhados neste momento é consertar o capitalismo ou inaugurar um mundo novo que é inteiramente possível. Essa é a grande esperança com que vamos embalados para as festas de Páscoa que se aproximam.

IHU On-Line - Lembrando que o tema da Campanha da fraternidade deste ano é “a paz é fruto da justiça”, de que forma o senhor pensa que podemos celebrar a páscoa em uma sociedade cada vez mais marcada pela violência?

Antonio Cechin - A violência que irrompe por toda a parte, especialmente no mundo urbano, nada mais é do que o fruto da violência institucionalizada do sistema capitalista que já dura centenas de anos. As forças que oprimem os pobres são as mesmas forças que oprimem o planeta Terra, hoje doente. O momento que vivemos hoje no mundo de 2009, às portas da festa da Páscoa, é um verdadeiro “kairós” isto é, um tempo favorável a que todos nos empenhemos em realizar o tão sonhado “mundo diferente” como cantamos sempre por ocasião dos Fóruns Sociais Mundiais “Um mundo novo é possível!”. Já pinta “a paz como fruto da justiça”. Oxalá a Páscoa de Jesus nos ilumine, na linha das páscoas dos índios da “Raposa, Terra do Sol”  com sua utopia da “Terra Sem Males”; dos quilombolas que, num dos bairros mais ricos de Porto Alegre, conseguiram suportar a pressão e transformar a área em que viviam desde a abolição em 1888, em assentamento regular; dos lutadores do MST que, apesar da criminalização, ainda estão conseguindo realizar ocupação em cima de ocupação e mantendo suas escolas itinerantes. Um mundo novo é possível porque Jesus Ressuscitou e caminha conosco!

Leia mais...

Antonio Cechin já deu outras contribuições à IHU On-Line. Elas estão disponíveis na nossa página eletrônica (www.unisinos.br/ihu)

- A historiadora-professora Sandra Pesavento e a História pelo Reverso - artigo publicado nas Notícias do Dia, de 31-03-2009.

- Porto Alegre, 26 de março de 1772 a 26 de março de 2009 - artigo publicado nas Notícias do Dia de 27-03-2009. 

- “A partir do Natal do Menino Jesus, a Esperança não morre nunca mais, porque seremos imortais”. Entrevista publicada nas Notícias do Dia de 05-01-2009.

Últimas edições

  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição