Edição 238 | 01 Outubro 2007

Neurociências e Pesquisas Atuais

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Encontro de Ética

As pesquisas de neurociências nunca tinham avançado tanto como nos últimos 20 anos, disse a Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Martins de Almeida, em entrevista à IHU On-Line por e-mail. Segundo ela, o avanço nos estudos tem proporcionado uma análise mais cautelosa do cérebro humano. “Hoje, se consegue estudar a caixa-preta (o cérebro) e são associadas informações para entender o processamento, as emoções e os comportamentos.” No entanto, ela ressalta que os novos tratamentos estão longe de curar algumas doenças que estão ligadas ao uso de drogas.

Rosa Maria Martins de Almeida é docente da Unisinos. A pesquisadora é mestre e doutora em Psicologia, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Cursou o pós-doutorado na Tufts University, em Boston, USA. A professora estará no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, participando do Encontros de Ética, na próxima segunda-feira, 8-10-2007. O evento está marcado para as 17h30min, na sala 1G119.

IHU On-Line - Como a senhora avalia as atuais pesquisas na área? Para onde avançam os estudos de neurociências?
Rosa Maria Martins de Almeida -
Nunca se avançou tanto como nos últimos 20 anos. As pesquisas avançam no sentido de ver como as funções cerebrais se dão. Há equipamentos muito modernos (PET and SPECT scanner), que avaliam os pacientes durante o pensamento, a fala, e a recordação de fatos etc. Só que o sistema é muito complexo, parece que existem vários subsistemas que compõem o cérebro.

IHU On-Line – Através destes equipamentos, é possível detectar se uma pessoa é agressiva ou violenta?
Rosa Maria Martins de Almeida -
O modelo de estudo de agressividade ou violência é mais complicado, pois requer dois indivíduos ou mais. No entanto, já há condições de se ter uma sala e não um tubo onde os indivíduos são analisados para estudo. Estudar a agressividade no momento em que há esse comportamento é um desafio. Nos modelos de estudo, empregam-se frustração, provocação social, uso de drogas.
 
IHU On-Line – Quais são as principais mudanças e evoluções alcançadas nas pesquisas de Psicologia Experimental?
Rosa Maria Martins de Almeida -
Hoje, se consegue estudar a caixa-preta (o cérebro) e são associadas informações para entender o processamento, as emoções e os comportamentos. As áreas estão mais integradas (Biologia, Neurologia, Psicologia, Fisiologia etc).
 
IHU On-Line - Os estudos de neurociências têm disponibilizado novos tratamentos terapêuticos eficientes? Os avanços da neurociência têm possibilitado a melhoria da qualidade de vida humana?
Rosa Maria Martins de Almeida -
Com certeza, mas ainda estamos distantes da cura. Há certas patologias ou problemas que não têm nenhum tratamento eficaz. Por exemplo: uso de drogas e violência. No entanto, eu tenho convicção que cada vez mais teremos benefícios em nossas vidas. A pesquisa científica tem esse intuito.
 
IHU On-Line - Quais são as implicações da neurociência para sociedade atual?
Rosa Maria Martins de Almeida
- Ela tenta aproximar as várias ciências com o intuito de desvendar o funcionamento do cérebro humano. De trazer à luz informações e intervenções necessárias para a saúde dos indivíduos.
 
IHU On-Line - Como os benefícios dos estudos da neurociência podem ser acessados, com mais facilidade, pela população?
Rosa Maria Martins de Almeida -
Pela internet, na TV, em revistas, livros e artigos científicos. Há congressos e encontros sobre esse tema tanto regionais, nacionais e internacionais. Existe uma vez por ano um Encontro de Neurociências que é realizado nos USA, nesse encontro vão em geral 35.000 pessoas do mundo inteiro. Eu tenho participado freqüentemente, e neste ano vou participar de um simpósio sobre Comportamento Agressivo e Violento.

IHU On-Line – Que questões a senhora apresentará nesse simpósio sobre Comportamento Agressivo e Violento?
Rosa Maria Martins de Almeida –
Serão abordados aspectos da neuropsicofarmacologia, ou seja, áreas cerebrais envolvidas, sistemas de neurotransmissores e ações de drogas e seu funcionamento.

IHU On-Line – Por que o ser humano desenvolve comportamentos agressivos e violentos?
Rosa Maria Martins de Almeida -
O comportamento agressivo não é de todo ruim, pois pode fazer com que um indivíduo alcance seus objetivos, metas. Esse só é mal visto, quando gera danos a outros. Esse comportamento pode surgir por vários motivos tais como lesões ou disfunções cerebrais, frustração, uso de drogas, provocação social, demência, impulsividade, transtornos de conduta etc.

Últimas edições

  • Edição 541

    Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

    Ver edição
  • Edição 540

    Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

    Ver edição
  • Edição 539

    Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

    Ver edição