Edição 544 | 05 Novembro 2019

XIX Simpósio Internacional IHU - Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 a 21 de outubro de 2020
Campus Unisinos Porto Alegre

Apresentação

A Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, numa iniciativa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, ao promover o XIX Simpósio Internacional IHU. Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida, tem como proposta debater transdisciplinarmente a digitalização como um modo de ser no mundo.

Hoje há um processo exponencial da digitalização da vida e da sociedade. Os algoritmos cada vez mais dirigem a vida, as decisões e as ações humanas. A inteligência artificial está interferindo no modo de ser no mundo, determinando o relacionamento humano, criando um tipo especial de presença. Como é um fenômeno ainda recente, carece de discussão e aprofundamento, mormente no Brasil.

Tendo como missão “promover a formação integral da pessoa humana”, o que exige excelência técnica e científica fundamentada em valores humanistas, a Unisinos coloca o tema da digitalização em pauta, oportunizando que a sociedade tenha um espaço aberto para discutir esta realidade com toda sua carga semântica e transformadora.

No desenvolvimento da reflexão, buscar-se-á debater, numa visão transdisciplinar, a digitalização como um modo de ser no mundo, que cada vez mais se estabelecerá com força na estruturação social. Reconhecendo esse dado da realidade, o Simpósio debruçar-se-á sobre as potencialidades, limites e riscos da digitalização, identificando seus impactos na reprodução da vida humana e do Planeta.

Outros aspectos relevantes do tema são a cultura, a economia e a ética. Nesse sentido, qual o paradigma cultural e a consequente mentalidade que sustentam a digitalização? Que implicações traz a digitalização para os processos de subjetivação contemporâneos e no governo biopolítico da vida humana?

Igualmente, o processo da produção digital dos dados na economia e no mundo do trabalho exige que se ponderem seus efeitos para a vida social.

Tanto a digitalização como a algoritmização dos comportamentos e das decisões morais trazem inúmeros desafios éticos que devem ser analisados e cotejados num processo de reflexão.
Por último, frente às desigualdades sociais e à reprodução das identidades, quais são as implicações da inteligência artificial?

O processo de reflexão presente no projeto procura decifrar o que está acontecendo e sua consequência no modo de viver na sociedade.

Objetivo Geral

Debater transdisciplinarmente a digitalização como um modo de ser no mundo.

Objetivos Específicos

– Discutir as potencialidades, limites e riscos da digitalização, apontando os impactos na (re)produção da vida humana e do Planeta.
– Descrever o paradigma cultural e a correspondente mentalidade que sustentam a digitalização.
– Debater as implicações da digitalização nos processos de subjetivação contemporâneos e no governo biopolítico da vida humana.
– Refletir sobre os desafios éticos da digitalização e algoritmização dos comportamentos e das decisões morais.
– Ponderar os efeitos da produção digital de dados na organização da economia e no mundo do trabalho.
– Analisar a inteligência artificial e a algoritmização na reprodução das identidades e das desigualdades.

Realização

Data: 19 a 21 de outubro de 2020 (segunda-feira a quarta-feira)
Teatro Unisinos | Campus Unisinos Porto Alegre

 

Leia mais

Últimas edições

  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição
  • Edição 543

    Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

    Ver edição