Edição 521 | 07 Maio 2018

Retrovisor

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Maio de 1968: 40 anos depois
Edição 250 – Ano VIII – 10-3-2008

 

1968 é um marco no século XX. Quarenta anos depois, a IHU On-Line busca discutir com sociólogos, filósofos, psicanalistas e jornalistas, o seu impacto na sociedade, na política, na religião e, especialmente, na cultura. Na concepção do filósofo e professor da Universidade de Brasília (UnB) Miroslav Milovic, a revolução de 68 possibilitou repensar a política como um campo não-representativo, além dos partidos. Entretanto, o sociólogo argentino Ernesto Laclau garante que o movimento da época “não chegou a constituir o imaginário hegemônico, que poderia mostrar a definição de um novo tipo de estado”. Entre os entrevistados da edição estão o filósofo e professor da Universidade de Brasília (UnB) Miroslav Milovic, o sociólogo argentino Ernesto Laclau, o psicanalista e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Benilton Bezerra Jr e Marcel Gauchet, sociólogo francês, entre outros.

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna
Edição 505 – Ano XVII – 22-5-2017

 

A imagem que ilustra a capa dessa IHU On-Line, a pintura de Charles Le Brum chamada A apoteose de Luís XIV (1677), sintetiza uma ideia central na obra de Giorgio Agamben: a modernidade nunca foi secular, mas profana. A paradoxal imagem que enaltece a força do Estado expresso na figura messiânica do rei mostra também o lado obscuro do poder, que pela força cria suas zonas de exclusão e exceção. Diante da falência da promessa moderna de avanço civilizatório, o filósofo italiano assenta seu pensamento que inspira o VI Colóquio Internacional IHU – Política, economia, teologia. Contribuições da obra de Giorgio Agamben e é o tema de capa dessa edição.

Cuidado de si e biopolítica
Edição 472 – Ano XV – 14-9-2015

 

Pensar os processos biopolíticos a partir de um paradigma contemporâneo exige abordar a realidade em nível molecular. Quando os biopoderes operam de forma fragmentária, particularizada, o cuidado de si, com todos seus discursos, práticas e procedimentos tecnocráticos, torna-se um tipo de governo descentralizado da vida humana, permeando todos os âmbitos de nossa experiência em sociedade. A revista IHU On-Line desta semana aborda o tema central do XVII Simpósio Internacional IHU a ser realizado nos dias 21 e 24 de setembro na Unisinos, em São Leopoldo. Muitos dos que estarão participando do evento contribuem no debate desta edição.

Últimas edições

  • Edição 530

    Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

    Ver edição
  • Edição 529

    Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

    Ver edição
  • Edição 528

    China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

    Ver edição