Edição 516 | 04 Dezembro 2017

Destaques On-Line

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Frei Henri des Roziers, um dominicano movido pela paixão e a exigência radical de justiça

“Acabar com a impunidade, matriz da reprodução da injustiça, era como que a obsessão de Frei Henri e pode-se dizer que ele conseguiu fazer recuar – por quanto tempo? – a impunidade no Pará.”

Jean Marie Xavier Plassat é frade dominicano e coordenador da Campanha contra o Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra - CPT.


*********
As Conferências do Clima têm sido frustrantes desde Copenhague, em 2009

“A COP funciona como uma espécie de quebra-cabeças: a cada nova discussão que acontece na COP, se abre um novo espaço de debate, e aquilo vai virando um monstro com ‘trezentos’ espaços de debates paralelos.”

Iara Pietricovsky de Oliveira é antropóloga e mestra em Ciência Política pela Universidade de Brasília - UnB.


*********
Vicente Cañas, jesuíta, trinta anos depois do assassinato, acontece um novo julgamento

“O legado do Irmão Vicente é o resgate da luta dos povos originários quando a legislação brasileira está flexibilizando o artigo 231 da Constituição Federal de 1988 e colocando em grande fragilidade os indígenas pelos quais o Irmão Vicente Cañas deu a vida.”

Aloir Pacini é graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia - Faje.

*********
Em 15 anos, Cerrado perde 11% de cobertura vegetal nativa por causa do desmatamento

“Um prejuízo gigantesco, quase que inestimável para a sociedade brasileira e global, porque estamos perdendo uma quantidade inestimável de patrimônio genético, de capacidade de recarga de aquíferos e de formação de chuvas, que alimenta, abastece e permite a agricultura no bioma.”

Tiago Reis é graduado em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RJ e mestre em Política Ambiental pela University College Dublin, na Irlanda.

*********
A política do comum e do protótipo. Duas alternativas ao mal-estar contemporâneo

“Corporatização e financeirização do Estado”, que é um “vetor de subordinação da política e erosão da dimensão pública e comum das instituições democráticas aos imperativos das finanças internacionais e ao controle das grandes corporações.”

Henrique Z. Parra é graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo - USP e doutor em Educação pela Universidade de Campinas - Unicamp.

Últimas edições

  • Edição 524

    Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

    Ver edição
  • Edição 523

    A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

    Ver edição
  • Edição 522

    A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

    Ver edição