Edição 206 | 27 Novembro 2006

Sérgio Farina

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

IHU Online

Na edição desta semana, IHU On-Line dedica a editoria Memória ao professor Sérgio Farina, falecido no último dia 16 de novembro. Farina lecionou na Unisinos por mais de 30 anos, foi diretor do Centro de Ciências da Comunicação e deixou aqui muitos amigos, lembranças e um legado de paixão pelo conhecimento.

Leia, a seguir, uma síntese que fizemos das matérias veiculadas pelo jornal Vale dos Sinos nos dias 17 e 18 de novembro de 2006. Após, confira depoimentos coletados pela IHU On-Line de pessoas que conviveram com Sergio Farina, entre elas a esposa Olga e os três filhos.  

Cuide de seus paraísos. Esse era o nome do livro que o professor Sérgio Farina, 77 anos, lançou em 1998. E foi exatamente isso que ele fez ao longo de toda a sua vida até a tarde de quinta-feira, 16-11-2006. Farina morreu de parada cardiorrespiratória devido a uma insuficiência cardíaca, numa clínica particular. A morte do professor silenciou o verbo dos mais chegados. Farina era sempre saudado com entusiasmo por escritores e profissionais da comunicação e principalmente por seus ex-alunos, que o celebravam. Foram mais de 30 anos dedicados ao conhecimento na Unisinos, numa jornada que começou em 1948, quando deu aula em alguns colégios Maristas.

Na Unisinos, ministrou disciplinas e cursos de redação para jornalistas e de literatura brasileira e de literatura grega, para falar dos mitos, dos mundos possíveis. Farina era um professor que ajudava a aprender a relação das palavras e a história.

Ele partiu de repente, deixando ainda muitas coisas por fazer. Estava em plena atividade. Mesmo aposentado do magistério, ao qual dedicou 55 anos de sua vida, Farina continuava produzindo textos, praticava ioga (uma nova paixão) e compartilhava saberes. Também tinha disposição para o trabalho voluntário, como o projeto de ensinar jovens e crianças da periferia a lidar com a terra.

A esposa, Olga, vai cumprir no lugar dele o compromisso marcado para o mês de dezembro: a apresentação do livro Um conto de Natal, no Café de Bordo. A obra, publicada pela Editora Sinodal, conta com textos e receitas sobre o Natal.
Farina deixa também três filhos (Sérgio Eugênio, 38, Cândida Luiza, 36, e Tiago, 27 anos) e três netos (João, um ano; Pilar, três e Tomaz, seis).

Mais de 30 anos na Unisinos

Sérgio Farina foi professor na Unisinos por mais de 30 anos. Doutor e mestre em teoria da literatura, coordenou o Centro de Ciências da Comunicação da universidade, de 1978 a 1989. Também deixou sua marca no Curso de Letras. Primeiro editor e fundador da revista do curso de Letras Entre linhas, dirigia um programa especial de treinamento para alunos selecionados, que entraram diretamente no mestrado. Entre os livros que lançou, está Os sermões de Vieira, textos adaptados e selecionados pelo professor que tornaram a obra mais acessível aos graduandos.

Familiares e amigos do professor concederam depoimento a IHU On-Line.

“Para mim, o Sergio foi um modelo de pai. Um pai atento, muito cuidadoso, amoroso para com seus três filhos. E isso aumentou depois com a chegada da nossa nora Themis, e mais ainda com a chegada dos nossos três netos. Era a figura do pai de braços abertos acolhendo sempre”. Olga Farina, casada há 40 anos com o professor Sergio Farina.

“Farina era um cara que estava sempre disposto a começar as coisas, a aprender. Ele gostava muito de escutar.” Sergio Eugenio, 38 anos, filho mais velho de Sergio Farina.

“Meu pai foi uma pessoa muito amorosa, solidária. O legado que ele nos deixa é o de desprendimento das coisas que sucumbem nossa vida, a dedicação ao trabalho e o posicionamento ético.” Cândida Luiza, 36 anos, filha de Sergio Farina.

“Os ensinamentos do meu pai foram muitos, mas eu destaco a formação como homem, de caráter, bondade, perseverança e amizade.” Tiago, 27 anos, filho caçula de Sergio Farina.

“Ele sempre me impressionou muito. Era um homem íntegro e de muita sabedoria. Uma pessoa tranqüila, uma pessoa amiga das pessoas, amiga da vida, amiga da natureza.” Pe. José Ivo Follmann, SJ, diretor de Ação Social e Filantropia da Unisinos.

“O professor Sérgio Farina pertenceu a uma rara categoria de seres humanos que personificam a gentileza, vivendo-a não superficial ou ocasionalmente, mas fazendo dela o ponto de partida e de chegada de suas ações”. Artur Jacobus, professor no curso de Letras da Unisinos.

Confira esses e outros depoimentos na íntegra no sítio do IHU (www.unisinos.br/ihu), publicados no sítio do IHU nas Notícias Diárias do dia 26-11-2006.

 

Últimas edições

  • Edição 538

    Grande Sertão: Veredas. Travessias

    Ver edição
  • Edição 537

    A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

    Ver edição
  • Edição 536

    Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

    Ver edição