Edição 392 | 14 Mai 2012

Editorial

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Redação

O atual governo brasileiro é desenvolvimentista? Mas o que é o desenvolvimentismo? Não era esse o tema que galvanizou o debate ideológico dos anos 1950 e 1960 do século passado, caracterizando e dividindo a direita e a esquerda brasileiras? Qual é o sentido deste debate hoje? A IHU On-Line propôs o tema para economistas e sociólogos que o debatem nesta edição.

Assim, contribuem na discussão Luiz Werneck Vianna, sociólogo, professor pesquisador da PUC-Rio, Luiz Carlos Bresser-Pereira, economista, professor emérito da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, David Kupfer, economista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Fernando Cardim, economista, professor da UFRJ, Amir Khair, economista e consultor, e Plínio de Arruda Sampaio Jr., economista, professor da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp.

Por sua vez, Vladimir Safatle, professor de Filosofia, a partir do recentemente lançado livro HARVEY, David. ZIZEK, Slavoj. ALI, Tariq et al. Occupy. Movimentos de protesto que tomaram as ruas (São Paulo: Boitempo, 2012), analisa os impactos políticos dos movimentos de contestação que emergiram pelo mundo no último ano.

Telma Monteiro, ambientalista, que estará na Unisinos, nesta semana, dentro da programação do Ciclo de Estudos sobre a Rio+20, promovido pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, analisa, com sólida argumentação, a opção energética feita pelo modelo desenvolvimentista brasileiro, implementado, primeiro, pelo regime militar, e retomado pelos governo Lula e Dilma.

Enfim, Castor Bartolomé Ruiz, professor do PPG em Filosofia da Unisinos, é o autor do artigo “Leituras biopolíticas de Hannah Arendt”.

A responsável pela criação de inúmeros projetos inovadores, como o Vestibulink, Maria Adélia Friedrich, narra a sua trajetória na Unisinos.

A todas e a todos um ótima leitura e uma excelente semana!

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição