Edição 330 | 24 Mai 2010

IHU Repórter - Elisa Castro

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Patricia Fachin

Professora do curso de Psicologia da Unisinos há três anos, Elisa de Castro dedica-se à pesquisa desde o tempo de estudante, experiência que foi determinante para a escolha da carreira acadêmica. A seguir, ela conta para a IHU On-Line os aspectos mais marcantes de sua trajetória.

 

Origens – Nasci em Porto Alegre, mas, antes de completar um ano de idade, fui morar no município de Taquari, cidade natal da minha família materna. Morei lá até os 16 anos, e depois retornei a Porto Alegre para dar continuidade aos estudos. Minha mãe também é psicóloga e atua na área clínica; meu pai é administrador de empresas. Tenho dois irmãos mais novos.

Família – Sou casada e tenho duas filhas: a Cecília, de cinco anos, e a Sofia, de 1 ano e 8 meses. Atualmente, tenho feito muitos programas infantis com as minhas filhas. Nós gostamos de viajar e ir à praia. Meus pais têm um sítio em Tabaí, então aproveitamos os finais de semana lá.

Maternidade – A maternidade foi uma alegria e uma satisfação, embora mulheres que trabalham, como eu, vivem um conflito no sentido de estar sempre devendo mais dedicação para os filhos ou para o trabalho. Morei na Espanha, por 4 anos, enquanto cursava o doutorado, e minha filha mais velha nasceu lá. Esse foi um período complicado porque Rodrigo (esposo) e eu estávamos longe da família e tivemos de dar conta dessa nova vida.

Escolha profissional – Na adolescência, tive muitas dúvidas em relação à profissão. Prestei vestibular para Medicina, mas não passei. Resolvi cursar Psicologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS. Hoje trabalho com psicologia da saúde. Então, há uma intersecção entre psicologia e a área da saúde. Durante toda a graduação, fui bolsista de iniciação científica, e essa foi uma experiência determinante para que eu escolhesse a carreira acadêmica. Antes de me formar, já tinha certeza de que queria seguir esse caminho. Quando concluí a graduação, iniciei o curso de mestrado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, na área de psicologia hospitalar, estudando as relações familiares e a interação mãe x crianças. Depois disso, optei por realizar o doutorado no exterior porque não havia nenhum doutorado nesta área, no Brasil. Meu esposo e eu conseguimos uma bolsa da Capes e fomos estudar na Espanha. Fiz meu doutorado em psicologia clínica da saúde, em Madri.  

Vivência na Espanha – Viver em outro país foi uma experiência marcante. Com as dificuldades normais de adaptação, esse foi um período tranquilo. Voltei lá, no ano passado, para rever os amigos que fiz.

Ingresso na Unisinos – Quando retornei da Espanha, em 2006, ingressei como professora na Unisinos, no curso de Graduação e na Pós-Graduação em Psicologia.

Lazer – Nos momentos de folga, gosto de descansar, ir ao cinema, tomar um vinho e sair para jantar. Também adoro viajar. Esse é meu hobby predileto.

Livros – Gosto de uma autora inglesa chamada Tracy Chevalier. Ela escreveu o livro Moça com brinco de pérola, que, posteriormente, foi transformado em filme. Também admiro e leio as crônicas da espanhola Rosa Monteiro.

Religião – Tenho uma formação católica, mas não sou praticante. Fiz a primeira comunhão e sempre estudei em instituições católicas. De certa maneira, a religião está sempre ao meu redor.

Sonho – No âmbito profissional, quero cada vez mais me desenvolver como pesquisadora, conseguir fazer pesquisas que tenham relevância e aplicabilidade. Pessoalmente, desejo ver minhas filhas crescendo felizes. São sonhos normais e tranquilos.

Unisinos – Vejo a Unisinos como uma instituição séria e comprometida com a qualidade do ensino. Nesses três anos que trabalho aqui, cresci muito como professora e pesquisadora. A universidade é um ambiente que possibilita o desenvolvimento da pesquisa e o crescimento dos pesquisadores.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição