Edição 319 | 14 Dezembro 2009

IHU Repórter - Fernanda Souza da Silva

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Patricia Fachin

Do Magistério, ela migrou para a Comunicação, trabalhou na área financeira e graduou-se em Psicologia. A entrevistada do IHU Repórter desta semana tem uma visão multidisciplinar e integra o grupo de funcionários da Unisinos há 15 anos. Fernanda Souza da Silva também cursou o MBA em Gestão de Pessoas e hoje concilia sua formação acadêmica com as atividades desenvolvidas no setor financeiro da universidade e participa do Comitê de Matrículas. Para ela, na área de finanças “a Psicologia se torna importante, pois também é preciso compreender as diversas situações do aluno, levando em consideração o humanismo”, menciona. Conheça a seguir alguns aspectos desta trajetória.

 

Origens – Nasci em Porto Alegre, no dia da criança em 12 de outubro. Tenho 35 anos e moro em Esteio desde os dois anos de idade. Meu pai, Arloque Pinheiro da Silva, era professor de inglês, e minha mãe, Dinorah Souza da Silva, dona de casa. Tive uma infância muito boa e fui uma menina bastante arteira.  Entre as travessuras desta época, lembro que uma vez joguei a chave da casa pela janela e até engoli um anel. Também sempre fui muito estudiosa e tinha um acompanhamento especial do meu pai, um mestre na minha vida, um exemplo. Ele faleceu há sete anos. Quando mudamos para Esteio, nasceu a minha irmã Cinara, que faleceu logo após completar um ano de idade. Ela era frágil e tinha síndrome de Down. Três anos depois, nasceu a Cláudia Letícia, que hoje tem 28 anos e já está casada. Durante praticamente sete anos fui filha única e, depois, sofri com a perda da Cinara, então, a chegada da minha irmã foi uma festa. Mantemos uma relação muito próxima. Somos muito amigas.

Estudos e trabalho na Unisinos – Formei-me em Magistério na Escola Coração de Maria, em Esteio. Lecionei durante dois anos e, nesse período, coordenei o projeto Clube de Leitura, o qual incentivava práticas de teatro e leitura para as crianças de séries iniciais. Nesta época, ingressei na Unisinos, cursando Comunicação, mas ainda não tinha certeza dessa escolha. Resolvi trocar de área e transferi para a Psicologia. Estava difícil continuar a faculdade porque tinha perdido o emprego, foi então que fiquei sabendo que a Unisinos contratava alunos para trabalharem numa modalidade chamada “bolsista”, na qual os estudantes recebiam o salário em créditos. Fiz minha inscrição e fui chamada para trabalhar no setor financeiro. Até então, sempre tinha trabalhado na área de humanas, mas resolvi abraçar esta atividade e sou funcionária da universidade há 15 anos. Nunca perdi a veia humana, da área da saúde. Graduei-me, em 2004, em Psicologia e, hoje, também presto serviço para empresas na área de Psicologia e RH.  No setor financeiro, a Psicologia se torna importante, pois também é preciso compreender as diversas situações do aluno, levando em consideração o humanismo. Na universidade, também participo do Comitê de Matrículas, um grupo de discussões referente às matrículas da Unisinos.

Intercâmbio – Durante a graduação de Psicologia, fiz um intercâmbio na disciplina de Atenção à Saúde. Viajamos para a Espanha, conheci Madri, Toledo, San Sebastián, e tive aula na Universidad de Deusto em Bilbao. Visitamos hospitais, clínicas e percebemos como os espanhóis atendem a seus pacientes. Eles têm bastante cuidado com a saúde e oferecem vários programas de prevenção para a população. Foi através da vivência deste intercâmbio que construí meu trabalho de conclusão de curso de Psicologia sobre Administração do Tempo e Ócio. Na época, a professora Ieda Rhoden estava fazendo pesquisa de doutorado em Ócio e Potencial Humano na Universidad de Deusto. Quando ela retornou ao Brasil, acompanhei a pesquisa e resolvi fazer meu TCC sobre administração do tempo. Percebi que, muitas vezes, as pessoas não sabem o que fazer do tempo livre, ou até mesmo não se permitem ficar sem fazer nada.
 
Pós-graduação – Fiz o MBA em Gestão de Pessoas, na Unisinos. Procurei vincular meus conhecimentos em Psicologia e Recursos Humanos com as atividades que desenvolvo no setor financeiro da universidade, tentando alinhar essas áreas. Pretendo cursar outra pós-graduação. Gosto de trabalhar com grupos.

Unisinos – Penso que a Universidade está no caminho da gestão profissionalizada buscando a
sustentabilidade e reconhecimento de mercado, além de contribuir para o desenvolvimento
social.Nesses 15 anos, já presenciei muitas mudanças, e vejo que a Unisinos está em constante desenvolvimento e na busca atender diversos públicos. Desenvolvi meu trabalho de conclusão do MBA sobre Alinhamentos de Equipe. O alinhamento de equipe é uma ferramenta para orientar os esforços de desenvolvimento da mesma e através dele é possível visualizar as diferentes percepções sobre a equipe. Fiz um estudo exploratório entre dois grupos: financeiro e acadêmico para ver se eles estavam alinhados com as estratégias da universidade. Consegui perceber que estamos no caminho certo, buscando a sinergia e integração das diversas áreas do conhecimento. Trabalhei como fiscal no último vestibular e penso que é importante o funcionário ter entendimento do que é a universidade, pois ele representa o primeiro contato do aluno com a Unisinos. Temos que passar uma imagem de unificação e, para isso, precisamos ter uma integração com a universidade, ter um conhecimento do todo. 

Vida pessoal – Namoro há dois anos com Gilmar Rambo. Ele é uma pessoa muito especial, temos muitas coisas em comum e também somos parceiros para viagens.

Lazer – Aproveito o final de semana para ficar com meu namorado, com a família e amigos. Também gosto de cinema, música, viajar e ir à praia.

Sonho – Precisamos sonhar. Sempre temos que ter metas e querer algo mais. Quero me desenvolver profissionalmente e voltar a estudar uma língua estrangeira. Meu sonho de consumo é retornar a Europa, visitar Toledo, uma cidade que amei.

Religião – Sou católica, mas não sou praticante assídua. Acredito em Deus e que existe algo além. A espiritualidade sempre é importante.

Últimas edições

  • Edição 508

    Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

    Ver edição
  • Edição 507

    Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

    Ver edição
  • Edição 506

    Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

    Ver edição