Edição 367 | 27 Junho 2011

A fisiologia do riso e a “moderação” da alegria

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Márcia Junges



Riso terapêutico

Falando de antigas lendas em voga no Renascimento, foi uma delas que me permitiu confirmar as intenções satíricas de Rabelais em Gargântua e Pantagruel. Trata-se da fabulosa história que associa grande sabedoria ao riso sistemático – mesmo diante infortúnios – do pré-socrático Demócrito de Abdera  (c. 460-c. 370 a.E.C.), hoje melhor lembrado por ter dado continuidade ao atomismo de seu mestre Leucipo  (fl. c. 430), doutrina essa que posteriormente retomada por Epicuro  (341-270 a.E.C.). A história em questão é narrada num conjunto de 12 cartas anônimas, escritas entre os séculos I a.E.C. e II E.C., sugerindo que o riso de Demócrito era terapêutico por apontar falhas e encaminhar as pessoas em direção à virtude.

Uma conclusão que me obrigou a rever minha hipótese inicial foi a aversão de diversos pensadores quinhentistas a gargalhadas desenfreadas. Com efeito, diferentemente do sustentado por Mikhail Bakhtin (1895-1975) em A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais, o riso acumulava mais de uma ressalva entre os intelectuais do século XVI. Primeiramente, o riso exagerado era contrário aos preceitos médicos vigentes na época, que recomendavam moderação inclusive na alegria. Em segundo lugar, rir desbragadamente afigurava-se característico de camponeses rudes e do zé-povinho e, como tal, impróprio para integrantes da nobreza e da burguesia então nascente. Como explica Joubert  em seu Traité du ris, quando o riso “é dissoluto ou de longa duração, a garganta se abre ao máximo, enquanto os lábios são repuxados para trás em extremo [...] E, por isso, tornam-se feios, impróprios e lascivos.” Ainda segundo Jourbert, posto o riso excessivo provocar o surgimento de rugas na face e em volta dos olhos, “as jovens são advertidas de evitar rir totalmente e avisadas de que podem envelhecer mais cedo.”

IHU On-Line – Em comparação a hoje, quais são as principais diferenças em relação à forma como o riso era considerado no século de Rabelais e Joubert?

Vera Machline – Atualmente, define-se o riso como uma expressão psicomotora de alegria, prazer ou outros sentimentos nem sempre afins, que se manifesta mediante a contração de músculos faciais, peitorais e abdominais, além de expirações curtas mais ou menos ruidosas e um ligeiro aumento dos batimentos cardíacos.
Para se compreender como o riso era considerado no Quinhentos, é necessário mencionar aqui o abecê de medicina teórica, datando do século XI ou XII, conhecido como Isagoge Joannitti. Esta “Iniciação” ou “Interpretação de Joannitius” foi responsável pela longeva doutrina higiênica, isto é, preventiva – ainda em vigor na primeira metade do século XIX – dos seis conjuntos de agentes “não naturais” que, apesar de exógenos, influíam na saúde. São eles: ares e lugares, movimento e repouso, comida e bebida, sono e vigília, evacuação e repleção, e as “paixões da alma”. As últimas, também chamadas “afetos da mente” e hoje denominadas emoções, eram reputadas reações passivas a acontecimentos externos, capazes de afetar o organismo. Alegria e prazer, por exemplo, dilatariam o coração e aqueceriam o corpo. Inversamente, tristeza ocasionaria – tal como ainda se diz – “coração apertado” e “frio na barriga”.

À luz dos preceitos da Isagoge Joannitti, portanto, o riso assomava uma modalidade de “não natural”. Mais precisamente, era considerado um movimento suscitado por duas ou mais emoções contrárias ou parecidas. Para Laurent Joubert, o riso genuíno seria um misto de tristeza e alegria, resultante da apreensão de algo “feio e impróprio, mas desmerecendo compaixão.” Já no entender do médico Girolamo Fracastoro  (c. 1478-1553), o riso verdadeiro proviria de alegria e admiração ou surpresa. E, segundo o médico Girolamo Mercuriale (1530-1606), rir era um “exercício vocorrespiratório”.

IHU On-Line – Como se explica o valor terapêutico do riso na medicina atual?

Vera Machline – Desde as últimas duas décadas do século passado, a visita de palhaços a internados em hospitais vem se tornando uma prática cada vez mais recorrente, não só no exterior como também aqui no Brasil. A explicação para isso, na mídia especializada, não raramente se resume ao chavão “Rir é o melhor remédio”. Nada mais simplista – e equivocado! É verdade que o riso assoma um exercício aeróbico moderado, dado ativar a respiração e a circulação sanguínea, além de liberar endomorfinas. Ocorre que tais palhaços (sejam eles atores profissionais ou voluntários amadores) estão longe de pretenderem levar às gargalhadas pessoas hospitalizadas. No máximo, almejam brincar com elas e distraí-las, ainda que por uns poucos instantes, da dolorida rotina hospitalar. Ademais, como visto acima, nem toda risada é salutar. Com efeito, inaugurados em fins da década de 1960 pelo psiquiatra norte-americano William F. Fry, os estudos acerca dos benefícios do riso geralmente dizem respeito à modalidade suscitada por alegria, júbilo ou contentamento.
Diante dos dados históricos aqui mencionados (e outros mais omitidos por limitações espaciais), não deixa de ser interessante que o riso, particularmente aquele atrelado à alegria, voltou a ser valorizado com o advento (ou melhor, a reinvenção) da medicina psicossomática. Por outro lado, até a alegria, da linha de frente de um arsenal terapêutico muito antigo, passou a mero acessório paramédico, a cargo de grupos de humanização.

IHU On-Line – O humor e o riso têm um caráter rebelde?

Vera Machline – Nem sempre. Comungo com outros especialistas o fato de o humor e o riso também poderem ser usados para reforçar estereótipos, como a “loura burra”. Não faltam exemplos de lugares-comuns repisando preconceitos nos meios de comunicação...

IHU On-Line – O que vem a ser gelotofobia?

Vera Machline – Malgrado suas raízes gregas, gelotofobia é uma palavra recente que designa o medo de sermos ridicularizados – cumpre acrescentar – independentemente de o riso ser amigável ou beirando o vitupério. Meu envolvimento com o assunto deu-se em 2009, quando aceitei participar de uma pesquisa internacional, liderada pelos doutores René T. Proyer e Willibald Ruch, visando reunir dados como sexo, idade, estado civil e grau de gelotofobia. Com a ajuda de minha ex-orientanda Yara Kassab, foi feito um levantamento junto de mais de 200 moradores da cidade de São Paulo. Ao terminarmos de tabular os dados numa panilha Excel, constatei que quem tem menos propensão à gelotofobia são os mais vividos, ou seja, pessoas da assim chamada terceira idade. Concluindo, o riso é como uma “faca de dois gumes”: pode ser subversivo ou conservador, e benéfico ou prejudicial à saúde. Da mesma forma, quando cordial, aproxima as pessoas; mas se escarnecedor, prontamente divide-as em vítimas e algozes.

Últimas edições

  • Edição 546

    Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

    Ver edição
  • Edição 545

    Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

    Ver edição
  • Edição 544

    Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

    Ver edição